PUBLICIDADE
Topo

Copa São Paulo - 2020


Jogadores do CSA relatam xenofobia no Canindé; Portuguesa pede desculpas

Felipe Pereira
Imagem: Felipe Pereira

Diego Salgado e José Edgar de Matos

Do UOL, em São Paulo (SP)

10/01/2020 21h55

Resumo da notícia

  • Jogadores do CSA acusaram torcedores da Portuguesa de comportamento xenofóbico na tarde de hoje (10), no Canindé.
  • Os atletas foram ofendidos na saída para o túnel, após o empate por 2 a 2.
  • Supervisor das categorias de base do CSA, Lucas Ramon disse que os xingamentos começaram ainda na primeira rodada.
  • A Portuguesa, em nota, pediu desculpas pelo comportamento do grupo de torcedores.
  • CSA e Portuguesa estão eliminados da Copinha.
Classificação e Jogos

Depois das manifestações homofóbicas de torcedores do Audax contra Tulio, goleiro do Sport, um novo caso de preconceito marcou a Copa São Paulo de Futebol Junior. Na tarde de hoje (10), um grupo de torcedores da Portuguesa xingou de maneira xenófoba os jogadores do CSA, depois do empate por 2 a 2, que marcou a eliminação dos dois times na competição.

O UOL Esporte teve acesso ao vídeo e ouviu os dois clubes sobre o assunto. Lucas Ramon, 21 anos, supervisor das categorias de base do CSA, desabafou sobre os xingamentos, ocorridos desde o primeiro dia de competição, segundo a acusação dos alagoanos.

"Uma situação complicada, mas prefiro trazer que, além do caso da CSA e da Portuguesa, é meio que lamentável, acontece no Brasil inteiro. Aconteceu em Curitiba e em outros lugares que jogamos. Situação chata, mesmo país e ficam conversando que lá não tem nada, chamando de paraíba, de cabeção, pelo contrário, a gente retribui com carinho", declarou à reportagem.

"Desde o primeiro jogo aconteceu isso. No aquecimento, os torcedores da Portuguesa ficavam falando 'vieram para cá para trazer mosquito, para trazer pernilongo, lá não tem água'. Queremos que pare isso, porque xenofobia e racismo estão ultrapassados demais, né? Não só no Brasil isso acontece", acrescentou o dirigente, que precisou acalmar os atletas na saída do gramado.

"Os meninos ficaram meio revoltados essa situação. Às vezes nunca passaram por isso, então ficaram encabulados com isso. Acalmamos eles, pois tem que ter personalidade para contornar a situação. A gente quer agradecer por quem deu apoio da competição e não vai abalar nada não. A gente deseja sorte para a Portuguesa", disse.

O clube do Canindé respondeu às acusações e lamentou o comportamento xenófobo dos torcedores. Em nota oficial enviada à reportagem, a Lusa pediu desculpas à delegação do CSA.

"Uma pequena parte de nossa imensa torcida, ao final do jogo, proferiu palavras que não representam o sentimento dessa instituição. Em alguns meses completaremos 100 anos de uma história construída com o suor de imigrantes. Por isso, a Associação Portuguesa de Desportos vem a público repudiar qualquer manifestação desse tipo, ainda mais em nossa própria casa", divulgou o time paulista.

"No Canindé todos sempre serão bem-vindos e bem tratados, porque essa é a nossa verdadeira cultura. Pedimos desculpas aos jogadores e torcedores do CSA pelo triste episódio de hoje. Nossa torcida não se representa por esse tipo de atitude", finalizou, em nota, a Lusa.