PUBLICIDADE
Topo

Mãe de menino levado ao Maracanã: "Dois negros entre os brancos. Tive medo"

Willy e o amigo, Caíque, foram ao Maracanã a convite da família de Tiago - Tiago Botini/Divulgação
Willy e o amigo, Caíque, foram ao Maracanã a convite da família de Tiago Imagem: Tiago Botini/Divulgação

Talyta Vespa

Do UOL, em São Paulo

05/12/2019 12h00

Classificação e Jogos

"Eram só os dois negros no meio dos brancos. Quando vi [a foto], tive medo. Falei: 'Jesus amado'. É difícil ver uma pessoa branca com boas condições financeiras levar dois negros para um estádio de futebol", conta Adriana Preta, de 35 anos. "Sabe, não que eu faça diferença entre brancos e negros, tá? Não discrimino, não. Mas que é raro, é. E essa família teve responsabilidade sobre meu filho e sobre o amigo dele. Fiquei aliviada."

Adriana é mãe de Willy, de 11 anos, um dos meninos convidados pela família do arrecadador de pedágio rodoviário Tiago Botini para assistir ao jogo entre Flamengo e Bahia, em 10 de novembro. Com dois ingressos sobrando após a desistência de amigos e familiares, o rubro-negro resolveu convidar duas crianças que marcavam presença na região do Maracanã, vestiam a camisa do time e não tinham condições de acessar o estádio.

Willy e o amigo Caíque, moradores da comunidade da Mangueira, no Rio de Janeiro, passeavam em frente ao estádio quando receberam o convite. Ao UOL Esporte, a mãe conta que estranhou a ausência do filho, sempre regrado com horários, e que só descobriu onde ele estava quando a foto publicada por Tiago viralizou no Twitter.

A imagem virou papel de parede do celular de Adriana, que é flamenguista, mas não "doente demais por causa de futebol" como o filho. "Ele pega meu celular e passa horas olhando para a foto, sorrindo, bobo", conta. "Naquele dia, o Willy chegou em casa muito alvoroçado, feliz. Eu perguntei: 'Bê, quem te levou ao Maracanã?'. E ele respondeu: 'Minha tia e meus tios'".

A tia a quem Willy se refere é Anna Botini, irmã de Tiago. A família costuma assistir a jogos do Flamengo no Maracanã e, quando encontra promoções, compra ingressos a mais para distribuir a amigos e familiares. "Nesse dia, as pessoas que convidamos não puderam ir, então, decidimos levar os ingressos e dar para crianças que estivessem a fim de ver o jogo", conta Tiago. A família não conhecia as crianças, mas elas saíram do Maracanã garantindo que haviam ganhado uma nova família.

Tiago Botini/Divulgação
Imagem: Tiago Botini/Divulgação

O medo de que o filho sofresse racismo é fruto de uma realidade bastante conhecida por Adriana, que já foi maltratada em muitas casas em que trabalhou como empregada doméstica. "As pessoas não me davam nem 'bom dia'", conta. E, como sensibilidade de mãe não falha, ela estava certa. No estádio, Tiago conta, um segurança barrou a família e avisou que as crianças não poderiam entrar.

"Era um ingresso pago. Já levamos crianças [brancas] para o estádio e nunca houve problema. Nunca pediram documento. A gente sabe que isso aconteceu dessa vez por estarmos acompanhados de garotos negros que vestiam roupas velhas", explica Tiago.

"O segurança chamou um sargento do Bope, que pegou o documento do meu irmão para que ele se responsabilizasse pelos meninos. Quando chegamos à arquibancada, eles ficaram deslumbrados e começaram a perguntar sobre tudo, coisa de criança inocente: por onde os times entram, onde estavam Diego e Gabigol, etc."

Tiago conta que sua irmã percebeu, de pessoas que estavam ao redor, olhares tortos em direção aos meninos. Mas eles nem se atentaram: estavam ligados no jogo. "Sempre que pudermos, vamos levá-los de novo. A gente tem que ajudar, foi um momento muito legal para a gente também", afirma.

Adriana tem três filhos, Willy é o caçula e o único que não trabalha em casa. Ela insiste que ele precisa estudar e tirar boas notas —por enquanto, à mãe, nenhuma decepção. Ela trabalha como auxiliar de serviços gerais, está desempregada e revende "umas roupinhas para sobreviver". Com a prole, é linha dura: "Boto de castigo quando faz coisa errada. Um dia, perguntei pra ele: 'Bê, você prefere apanhar ou ficar de castigo?' E ele respondeu: 'Mãe, ficar de castigo é muito ruim, mas apanhar é pior'. Ele quem escolheu", ri.

A falta de dinheiro e de tempo impedem a mãe de levar o filho ao estádio. Hoje, feliz, Adriana relembra a preocupação daquele domingo e a conversa que teve com Willy quando ele chegou em casa. "Dei uma bronca. Disse a ele que não pode ir a lugares com pessoas que não conhece. Essa família é gente boa, mas e se fossem pessoas más?"

A foto de Willy no Maracanã virou notícia entre os vizinhos —"ficou um burburinho só". "Todo mundo falou bem, sabe, porque é difícil pessoas brancas andarem com negros do lado. Tem muito branco que não gosta de negro porque acha que negro é ladrão", conta. "Acredita que o Bê até foi para a escola feliz na segunda-feira?"

"Eduquei meus filhos com dignidade. Dizia aos mais velhos e digo ao Willy que não adianta a gente querer o que não é nosso. O mundo está sujo. Eu falo, toda hora: 'Estudem, estudem, para serem pobres dignos e conquistarem algo na vida. A gente já mora em comunidade, a gente já não é bem visto. Estudem para terem um emprego digno quando crescerem".

Flamengo