Topo

Sasha explosivo já ouviu demais e refletiu, mas estilo sincerão prevaleceu

Eduardo Sasha em jogo do Santos - Ricardo Nogueira/Getty Images
Eduardo Sasha em jogo do Santos Imagem: Ricardo Nogueira/Getty Images

Eder Traskini

Colaboração para o UOL, em Santos

20/11/2019 04h02

As frases prontas e o discurso politicamente correto não pertencem ao atacante Eduardo Sasha. Cada vez mais raros no futebol, o centroavante do Santos é daqueles atletas autênticos, sinceros, que falam o que pensam e, às vezes, não medem as "consequências". Foi assim na coletiva do início da semana no CT Rei Pelé, quando pediu para falar sobre como perdeu o respeito pelo lateral Jorge e teve vontade de "dar um soco na cara" do companheiro.

O modo "sincerão" acompanha Sasha desde o início da carreira. O episódio mais famoso, claro, foi com Luan, do Grêmio. O atacante provocou o rival dançando a valsa dos 15 anos na comemoração do título gaúcho do Internacional em 2016 e depois teve de ouvir o rival direcionar para ele o "revide" após dois títulos gremistas.

Sasha, então, não se escondeu e rebateu a famosa frase "o Grêmio é campeão, e o Sasha é um c..." em suas redes sociais, com mais provocações: "só posso ter pego alguma namoradinha dele", escreveu na época.

No ano seguinte, disputando a Série B com o Inter, o atacante voltou a usar as redes sociais para rebater críticas da torcida, dizendo que "qualquer um sai xingando de forma abusiva e desrespeitosa" e que "muitos queriam estar no meu lugar", acrescentando ainda um "fala muito" em forma de hashtag na publicação.

Até hoje, Sasha não se arrepende da provocação ao Grêmio, por exemplo, pois acredita que cada um tem seu momento de brincar. Mesmo assim, não repetiu a conduta e afirma ter mudado por causa da repercussão que isso gerou.

"Eu acho que eu mudei um pouco. Eu fiz uma provocação sadia, normal, aí as pessoas levaram pro pessoal, muito torcedor acaba levando pro outro lado. Acho que a provocação é de um clube a outro. Só que olham muito pro pessoal e acabam fazendo dessa zoação uma outra história, um outro negócio que eu acho que não condiz com uma simples provocação ao rival. Pode ver que hoje é difícil ter uma zoação", explicou em entrevista exclusiva ao UOL Esporte cerca de um mês atrás.

No Inter, Sasha chegou a evitar falar por um tempo, exatamente devido ao modo "sincerão" que prevalece até hoje. No Santos, ele nunca escondeu que ficou magoado com a forma como foi tratado por Sampaoli no início da temporada e, em outro episódio no ano passado, falou novamente sobre Luan, reafirmando que não gostava do atacante do Grêmio. Para ele, a sinceridade é importante.

"Acho que tem que ser (sincero). Falar o que pensa, ser sincero nas palavras. Não tem por que não responder", disse ao UOL Esporte na ocasião.

O camisa 27 do Santos não acompanha mais as redes sociais ou as notícias veiculadas. Ele gostava de ler tudo o que saia no início da carreira, mas com o tempo foi parando pelo excesso de "julgamento", nas palavras dele, que encontrou.

Sasha não é o "boleiro" convencional. Nunca foi tido como um líder de vestiário, é mais fechado e reservado com amigos e familiares. O tempo livre não é ocupado por festas, mas sim por séries e games. O atacante gosta bastante da cidade de Santos e já confessou a amigos próximos que pretende morar na cidade quando pendurar as chuteiras.

Santos