Topo

Jovem meia leva "fato novo" ao Atlético-MG e se salva em ataque burocrático

Veloz e habilidoso, Marquinhos tem deixado o ataque do Atlético menos previsível diante dos adversários - Bruno Cantini/Atlético
Veloz e habilidoso, Marquinhos tem deixado o ataque do Atlético menos previsível diante dos adversários Imagem: Bruno Cantini/Atlético

Enrico Bruno

Do UOL, em Belo Horizonte

19/11/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Marquinhos deu a assistência para Di Santo marcar o gol de empate do Galo contra o Flu
  • Meia contabiliza duas assistências e um gol nos últimos quatro jogos do Atlético
  • Velocidade e habilidade de Marquinhos aumenta repertório do time, que sofre com previsibilidade
  • Vagner Mancini vem aprovando evolução e maturidade do jogador neste fim de ano

O Atlético-MG ainda não reencontrou seu melhor futebol nesta reta final de Campeonato Brasileiro, mas o meia Marquinhos é uma das gratas surpresas no setor ofensivo do time. No sábado (16), após o empate de 1 a 1 do Galo contra o Fluminense, o garoto foi um dos poucos nomes do time alvinegro com atuação positiva em campo. Cada vez mas utilizado por Vagner Mancini, o jogador de 20 anos chama atenção por dar mais imprevisibilidade ao ataque alvinegro, que sai da mesmice e ganha mais repertório com o atleta em campo.

Destaque no time sub-20, Marquinhos passou a ser mais utilizado por Mancini a medida que o time não conseguia corresponder em campo. A gota d'água aconteceu na derrota por 2 a 0 para a Chapecoense. Desde então, o meia entrou nos quatro jogos seguintes, marcando um gol e dando duas assistências. Contra o Flu, começou como titular e serviu Di Santo no lance do gol de empate. Já nos acréscimos, quase virou a partida para o Galo.

Marquinhos foi quem mais deu trabalho à zaga carioca. Habilidoso, o meia já dá os primeiros sinais de maturidade dentro das quatro linhas. Além do talento, tem personalidade para tentar um drible no adversário e buscar jogadas no mano a mano, algo raro e pouco presente no ataque, muitas vezes marcado pela alta previsibilidade.

Bruno Cantini/Atlético-MG
Imagem: Bruno Cantini/Atlético-MG

"Penso em dar oportunidade aos jovens, fazer com que possam atuar. Os dois jogaram dentro do Maracanã diante de uma equipe grande. Isso é importante, o atleta acaba vivendo algo diferente na carreira. A partir do momento que colocamos em campo, você quer dar alta performance e essas dificuldades também ajudam na maturação deles. Entendi que seria importante iniciarem uma partida, achei que o Cazares seria importante na segunda etapa. É importante que você faça esse rodízio, mas também abrir espaço para o jovem entrar e dar a sua contribuição", disse o técnico Vagner Mancini, sobre a utilização de Marquinhos ao lado de Bruninho, outro jovem da base que começou como titular contra o Fluminense.

A boa fase do atacante já vem pelo menos desde o início do mês. Contra o Fortaleza, ele entrou em campo e serviu Fábio Santos no gol de empate. Diante do Goiás, se emocionou ao abrir o marcador em chute de fora da área, ajudando em uma vitória importantíssima para o Atlético. No clássico contra o Cruzeiro, entrou no segundo tempo e melhorou o time, gerando até um arrependimento em Vagner Mancini por não tê-lo colocado antes. Por fim, voltou a jogar bem contra o Fluminense e ganhou ainda mais confiança para os próximos jogos.

"Ponto importante fora de casa, viemos com o intuito da vitória, mas infelizmente levamos um gol no início. Agora é erguer a cabeça porque temos o Athletico no final de semana para a gente se salvar lá. Graças a Deus veio mais uma assistência, trocaria a assistência pela vitória, mas paciência, agora é continuar trabalhando", disse o meia.

Atlético-MG