Topo

Cruzeiro vive extremos e emperra na degola com segunda maior série invicta

Equipe mineira deixou de perder, o que é bom, mas primeiro turno ruim impediu saída da zona do rebaixamento até agora - Fernando Moreno/AGIF
Equipe mineira deixou de perder, o que é bom, mas primeiro turno ruim impediu saída da zona do rebaixamento até agora Imagem: Fernando Moreno/AGIF

Enrico Bruno

Do UOL, em Belo Horizonte

30/10/2019 04h00

O Cruzeiro de Abel Braga está vivendo dois extremos no Brasileirão. Por um lado, o clube voltou a tropeçar em casa diante de um adversário direto contra o rebaixamento e perdeu uma nova chance de deixar o Z-4. Do outro, o time conseguiu dar uma resposta positiva no primeiro mês do novo treinador e já emplaca a segundo melhor sequência invicta na tabela.

Hoje (30), Abel Braga completa um mês desde que fez seu primeiro jogo pelo Cruzeiro. Naquela ocasião, o time foi derrotado para o Goiás por 1 a 0. A partir dali, a equipe apresentou evoluções em campo e não perdeu mais, embora tenha vacilado em alguns momentos, o que contribuiu para sua permanência no Z-4. Mas hoje, técnico e jogadores preferem ver o "copo meio cheio", pelo menos no discurso.

A Raposa é a atual dona da segunda melhor série invicta do Brasileirão, com quatro empates e dois triunfos nos últimos seis jogos. Não por coincidência, o único que bate essa sequência é o líder Flamengo, que não perde há 15 jogos (desde o mês de agosto). O problema celeste nessa série positiva foram alguns pontos desperdiçados principalmente contra os últimos colocados. Diante da Chapecoense, a equipe levou o empate no último lance. As igualdades também vieram contra Fluminense e Fortaleza. De bom, ficaram as vitórias convincentes contra São Paulo e Corinthians, que hoje brigam na parte de cima da tabela.

Apesar da reação com Abel Braga, o Cruzeiro ainda paga caro por um primeiro semestre muito abaixo do esperado. A equipe entrou para a pausa da Copa América na zona de rebaixamento e voltou para lá no último jogo do turno, pouco depois de ter demitido Mano Menezes. Mesmo que a melhora em relação aos antecessores já seja vista nos números, Abel ainda encontra dificuldades para consertar falhas que andam acontecendo desde o início do ano. Na defesa, a formação sólida de Léo e Dedé, além de desfalcada, não é mais a mesma, cometendo falhas ao lado dos volantes. No ataque, homens de criação também não estão em dia, tamanha a dificuldade para o time chegar ao gol e balançar as redes.

Faltando dez rodadas para o fim do Campeonato Brasileiro, o Cruzeiro só depende de si para voltar a respirar. Caso o Fluminense tropece diante do Ceará, uma vitória celeste contra o Botafogo tira a Raposa do Z-4. Hoje, e equipe mineira faz seu último treinamento antes do embarque para o Rio de Janeiro. Para a viagem, fica a expectativa pelo retorno do zagueiro Léo, que ainda não estreou com Abel Braga porque estava se recuperando de uma lesão na clavícula.

Cruzeiro