PUBLICIDADE
Topo

Futebol

E. Ribeiro diz estar jogando "até melhor" que no bicampeonato do Cruzeiro

Éverton Ribeiro concede entrevista ao apresentador Benjamin Back - Reprodução/Fox Sports
Éverton Ribeiro concede entrevista ao apresentador Benjamin Back Imagem: Reprodução/Fox Sports

Do UOL, em São Paulo

27/10/2019 10h54

O meia-atacante Éverton Ribeiro analisou o atual momento do Flamengo, que está na final da Libertadores e lidera com folga o Campeonato Brasileiro, e seu próprio desempenho com a camisa rubro-negra.

Em entrevista ao "Fox Sports", o meia-atacante analisou a fase que vive no clube carioca e disse estar no "mesmo nível ou até melhor" que nos anos em que conquistou o bicampeonato brasileiro com o Cruzeiro, quando chegou a ser eleito o craque da competição. No entanto, mesmo com a excelente fase do Flamengo, ele evitou cravar que o título do Brasileirão já pertença ao rubro-negro.

"Me vejo muito bem hoje, acredito que estou no mesmo nível ou até melhor que aquele tempo. Só que lá eu fui campeão, então acredito que tem que fechar bem esse ano pra poder, aí sim, falar", analisou Éverton, que acrescentou:

"O Campeonato Brasileiro é difícil, a gente sabe como a gente já oscilou, agora eles tão oscilando. Se a gente não manter firme até o final, esses pontos podem diminuir e acabar sendo passado. Pra nós não tem jogo mais importante um que o outro, independente de quem a gente pega tem sido a mesma atitude. Acho que tem sido muito importante isso, até porque, o mister não deixa a gente pensar um pouquinho fora da casinha. Tá sempre ali cobrando, então isso é bom, temos jogadores experientes para manter isso até o final."

Com a experiência de quem conquistou o bicampeonato nacional com o Cruzeiro, o atleta apontou as semelhanças entre o trabalho vitorioso feito no clube de Minas e o que vem sendo realizado no clube rubro-negro.

"Eu sou privilegiado, porque nas duas equipes (Cruzeiro e Flamengo) não teve essa vaidade (de medalhões querendo serem titulares). Tanto no Cruzeiro, quando tinha os campeões, Daboberto, Tinga... que em certo momento não jogavam ou não entravam, o treino diariamente era acima do que os meninos que estavam começando. Então isso era uma motivação para todo mundo. Hoje vejo isso novamente, até por esse grupo ser tão bom, não ter vaidade, estamos fazendo bons jogos, estamos na final da Libertadores. Grupo campeão tem que ter isso, não pode ter a vaidade. Independente de quem está jogando, no final, levantar a taça é o importante para todo mundo", afirmou, em entrevista ao Fox Sports.

Trabalho feito por Jesus e comparação com técnicos brasileiros

Éverton Ribeiro elogia o trabalho feito por Jorge Jesus no Flamengo - Alexandre Vidal / Site oficial do Flamengo - Alexandre Vidal / Site oficial do Flamengo
Éverton Ribeiro elogia o trabalho feito por Jorge Jesus no Flamengo
Imagem: Alexandre Vidal / Site oficial do Flamengo

Éverton Ribeiro destaca que não conhecia o trabalho de Jorge Jesus antes de começar a trabalhar com ele no Flamengo. O meia ressalta que já havia recebido boas referências de um colega que jogou com ele no Benfica e evitou fazer comparações com os trabalhos realizados por técnicos brasileiros.

"Não acredito que sejam treinadores brasileiros, cada um tem seu estilo. Já peguei treinadores brasileiros mais ofensivos, outros mais defensivos, cada um tem sua estratégia. Acredito que o mister é muito experiente, já tem uma carreira vitoriosa, foi campeão onde passou. Ele tem um estilo de jogo que casou com nosso estilo de jogar, com jogadores que temos. Ele é muito didático, sabe ensinar e sabe mostrar o que quer, e isso facilita muito pra gente."

Éverton Ribeiro ainda disse que o estilo de jogo criado por Jorge Jesus é resultado da combinação entre as ideias do técnico e as características dos jogadores do elenco.

"Nós somos ofensivos porque marcamos bem, a gente não é aquele time que quer atacar, mas não sabe se defender. Por isso que temos esse estilo tão agressivo, estamos sempre próximos um do outro, isso facilita muito e acaba dificultando para as equipes terem espaço pra jogar. A gente tá toda hora com a bola, aí a qualidade sobressai", finalizou.

Futebol