Topo

Volante supera timidez e instabilidade para conquistar Luxemburgo no Vasco

Volante Raul foi um dos destaques do Vasco no empate em 1 a 1 com o Athletico-PR em São Januário - Rafael Ribeiro / Vasco
Volante Raul foi um dos destaques do Vasco no empate em 1 a 1 com o Athletico-PR em São Januário Imagem: Rafael Ribeiro / Vasco

Bruno Braz

Do UOL, no Rio de Janeiro

24/09/2019 04h00

Uma proposta de três temporadas de contrato quando ainda tinha 21 anos. Foram nessas circunstâncias que Raul chegou ao Vasco, em maio do ano passado, após não renovar com o Ceará por opção própria. Instável em seu início em São Januário, amargou o banco de reservas e conviveu com a desconfiança da torcida, mas nesta temporada o cenário mudou a ponto de o volante sair ovacionado de campo após o empate em 1 a 1 com o Athletico-PR, no último domingo (22).

Natural de Tauá (CE), o jogador — hoje com 23 anos — foi uma aposta da diretoria vascaína por conta da juventude e das boas referências vindas do clube cearense, onde se formou, foi bicampeão estadual e fez toda a sua base.

Antes do Cruzmaltino, o Ceará desejava sua renovação de contrato, mas o volante preferiu não prosseguir e aceitar o desafio no futebol carioca. A boa temporada que realiza no Vasco já despertou algumas sondagens do futebol do exterior, mas nenhuma, no entanto, que tenha o agradado.

Homem de confiança do técnico Vanderlei Luxemburgo, ele é o terceiro atleta do elenco com mais jogos disputados em 2019, ficando atrás somente de Yago Pikachu e Marrony.

Com estilo de jogo moderno e adepto do "box to box" (expressão importada da Inglaterra e que caracteriza o volante que atua de área à área), Raul superou a timidez de sua chegada e já fala como um líder no Cruzmaltino.

"Não vai faltar entrega e nem garra. Tem jogos que serão mais tranquilos e outros vão ser mais sofridos mesmo, mas em alguns vai dar para impor nosso ritmo de jogo", disse o jogador após o empate com o Athletico-PR.

Líder de desarmes do Vasco

Raul terminou o primeiro turno do Campeonato Brasileiro como líder de desarmes do Vasco. Muito elogiado pelos companheiros, o "Ceará" - como é chamado internamente no clube - acredita que o Cruzmaltino possa dar voos mais altos na competição:

"O Brasileiro é muito difícil, mas sabemos da nossa qualidade e humildade. Podemos brigar por coisas melhores".