Topo

Futebol feminino


Ludmila reclama de ação de segurança: "Sei que é por causa da minha cor"

Ana Carolina Silva e José Edgar de Matos

Do UOL, em São Paulo (SP)

24/09/2019 16h23

Resumo da notícia

  • Jogadora da seleção brasileira, Ludmila reclamou da ação do segurança de um supermercado na Espanha.
  • Em conversa com o UOL Esporte, a atleta desabafou sobre o caso e acusou racismo: "Sei que é por causa da minha cor"
  • De acordo com Ludmila, o segurança a seguiu "sem disfarçar" durante toda a permanência no estabelecimento.
  • A atleta também publicou vídeos em uma rede social para denunciar o caso, tratado como algo rotineiro em sua vida.
  • "Nós, negros, precisamos lutar para acabar com isso", disse Ludmila à reportagem, justificando a ação de gravar o funcionário do mercado.
  • Ludmila é atleta do Atlético de Madri, atual campeão espanhol, e defendeu o Brasil na última Copa do Mundo.

A atacante Ludmila acusou um segurança de racismo hoje (24), durante a visita a um mercado na Espanha, onde vive e joga pelo Atlético de Madri. A jogadora da seleção brasileira, que disputou a última Copa do Mundo, gravou um vídeo no qual diz ter sido vigiada por um funcionário do estabelecimento. Em depoimento ao UOL Esporte, a atleta desabafou sobre o caso, que, segundo ela, é rotineiro tanto na Europa quanto no Brasil.

"Eu vou ao mercado quando esqueço de alguma coisa ou quando acaba alguma coisa que eu preciso comprar. E é sempre a mesma coisa. Eu sempre falei: 'meu, é o trabalho dele!'. Mas por que será que eu ponho isso na minha cabeça sendo que eu sei que não é o trabalho dele? Sendo que eu sei que é por causa da minha cor", questionou a jovem atleta de 24 anos.

"Não tem só eu no mercado para ele seguir, mas como sou a única negra no mercado... então a única pessoa que ele vai seguir sou eu. Esse negócio que aconteceu foi hoje. (...) Sempre fui ao mercado e sempre foi assim, com eles me seguindo. Eu sempre tentei colocar na cabeça que é o trabalho deles, sabe? Ok, é o trabalho deles, mas por que não seguem as outras pessoas?", lamentou, em conversa com a reportagem.

Segundo Ludmila, o segurança a seguiu "sem disfarçar" durante toda a permanência no estabelecimento. A atacante do atual campeão espanhol descreveu o ocorrido como "horrível e constrangedor", mas decidiu gravar para expor uma situação classificada como recorrente no dia a dia.

"Queria ter filmado sempre ele me seguindo, mas ficaria muito chato. Eu não gosto, porque às vezes é melhor você ficar calado. Nós, negros, precisamos lutar para acabar com isso, mas não vai acabar. A gente sabe que isso não vai acabar, nem fazendo vídeo, nem protestando. Essa mudança vem de dentro, vem das pessoas se colocarem no seu lugar", destacou.

"Mas as pessoas só pensam nelas, não vão se colocar no seu lugar, entendeu? Porque não são elas que estão passando. Por isso que as pessoas falam que é 'mimimi', é conversa. Mas é horrível, é constrangedor. Você sabe que você é digna, trabalha, e as pessoas nem sabem de onde vem o seu dinheiro. Então, é forte", desabafou a atacante.

O post de Ludmila ganhou repercussão na internet e uma defesa imediata à atacante brasileira, figura constante na seleção nos últimos anos e autora de um gol na goleada por 5 a 0 contra a Argentina, em partida disputada no estádio do Pacaembu e válida pelo Torneio Uber.

Futebol feminino