Topo

Futebol


Santos e Flamengo se encontram em campo após seis duelos no mercado

Bruno Henrique e Gabigol comemoram gol do Flamengo - Alexandre Vidal / Flamengo
Bruno Henrique e Gabigol comemoram gol do Flamengo Imagem: Alexandre Vidal / Flamengo

Eder Traskini e Leo Burlá

Do UOL, em Santos e no Rio de Janeiro

13/09/2019 04h00

Os nomes de Santos e Flamengo nunca apareceram tantas vezes juntos quanto nesta temporada, principalmente quando o tema é o mercado da bola. Peixe e Rubro-Negro duelaram seis vezes por jogadores e até pelo técnico Abel Braga. Amanhã, às 17h, no Maracanã, os dois times colocarão suas vitórias e derrotas à prova, pela última rodada do primeiro turno Campeonato Brasileiro.

O duelo do líder contra o vice-líder não contará com pelo menos três dos personagens desses duelos mercadológicos: o técnico Abel Braga, o volante Jean Lucas e o lateral-direito Pará. Por outro lado, Gabigol e Bruno Henrique devem estar em campo, enquanto Uribe tende a iniciar no banco de reservas.

O primeiro alvo em comum dos dois clubes na temporada foi o técnico Abel Braga. O comandante chegou a conversar com o presidente do Peixe, José Carlos Peres, e as negociação ficaram encaminhadas antes de o Flamengo entrar na briga. Quando o Rubro-Negro fez a sua oferta, Abel, que havia deixado o Peixe em espera, optou pelo clube carioca. Cinco meses depois pediria demissão do time da Gávea. Sem o técnico, o Peixe foi atrás de outra opção e fez a certeira aposta no argentino Jorge Sampaoli.

Assim que o argentino chegou ao Brasil para assinar com o Santos, ele perguntou se não havia uma maneira de segurar o centroavante Gabigol no elenco. O Peixe até tentou, mas não teve condições de manter o Menino da Vila, que havia fechado a temporada 2018 como artilheiro do Brasileirão e da Copa do Brasil. O nome do atacante foi especulado na Inglaterra, mas depois de muita novela, ele acertou com o Flamengo.

O também atacante Bruno Henrique foi, talvez, o pivô da maior polêmica entre os dois clubes no ano. O clube carioca fez várias propostas ao Peixe pelo atleta e as negociações se arrastaram muito até que houvesse um acordo. Em dado momento, o vice-presidente de futebol do Flamengo, Marcos Braz, chegou a declarar que o camisa 27 não viria mais e encerrou negociações com o Santos.

Sampaoli queria contar com Bruno Henrique e chegou a inscrevê-lo no Paulistão. No entanto, o desejo de Bruno Henrique era jogar pelo Flamengo e, pouco tempo depois, os clubes alinharam um acordo: R$ 23 milhões mais o empréstimo do volante Ronaldo. Feito? Desfeito. Santos e Ronaldo não chegaram a um acordo e, por pouco, o Peixe não saiu sem jogador no negócio.

A situação foi resolvida com o empréstimo de Jean Lucas até o fim da temporada. No entanto, o fim do vínculo com o Peixe acabou antes do esperado e causou muita irritação no técnico Jorge Sampaoli. O Flamengo recebeu uma proposta de R$ 34 milhões do Lyon (FRA) pelo atleta e decidiu negociá-lo. Ao Peixe coube... nada. O clube tinha a preferência de compra e tentou igualar a oferta, mas não conseguiu e perdeu o volante sem ganhar um centavo pela "vitrine" que deu ao volante, então titular da equipe de Sampaoli.

Foi também no Flamengo que o Santos foi buscar um jogador para acabar com a maior novela do ano: o camisa 9. O colombiano Fernando Uribe foi o escolhido e os R$ 6 milhões abatidos do que os cariocas ainda tinham a pagar por Bruno Henrique. Ele foi apresentado como manda o figurino e vestiu a camisa 9 que há tempos não tinha um dono oficial no clube - Rodrygo chegou a usá-la por um tempo, mas logo trocou para a 11. No entanto, hoje o número 9 segue fora das escalações do Santos, já que Uribe é reserva de Eduardo Sasha.

Para fechar a extensa lista, o lateral-direito Pará foi para o Santos após a chegada de Rafinha ao Flamengo. O Peixe chegou a pensar em Rodinei, mas o Rubro-Negro segurou o jogador e liberou Pará. A diretoria santista questionou Jorge Sampaoli sobre a contratação e o comandante, sabendo da dificuldade de mercado e querendo um atleta para compor elenco, aprovou o nome. No entanto, o atleta não deve estar à disposição para o jogo no Rio por força contratual, já que o Alvinegro Praiano tem que pagar uma compensação de R$ 1 milhão para escalar Pará contra o ex-time.

Enquanto Bruno Henrique e Gabigol desfilam seu futebol no Flamengo e são os principais destaques da equipe que lidera o Brasileirão e está na semifinal da Copa Libertadores da América, Uribe e Pará são apenas reservas no Peixe. Jean Lucas, quem mais se destacou dos 'flamenguistas', começa a despontar no Lyon, enquanto o Peixe ainda busca um substituto para o atleta.

Mais Futebol