Topo

Mais solto no "novo Cruzeiro", Thiago Neves equipara Ceni a Renato Gaúcho

Para Thiago Neves, Rogério Ceni e Renato Gaúcho são os treinadores que mais possuem a filosofia favorável ao seu futebol - Bruno Haddad/Cruzeiro
Para Thiago Neves, Rogério Ceni e Renato Gaúcho são os treinadores que mais possuem a filosofia favorável ao seu futebol Imagem: Bruno Haddad/Cruzeiro

Enrico Bruno

Do UOL, em Belo Horizonte

22/08/2019 04h00

Thiago Neves está aprovando as primeiras semanas de Rogério Ceni no Cruzeiro. Para o camisa 10, o estilo do novo treinador é o que lhe deixa mais à vontade para mostrar seu melhor futebol. Mesmo com o pouco tempo de carreira à beira do campo, o comandante celeste foi equiparado à Renato Gaúcho, hoje no Grêmio, mas que já trabalhou com Thiago no Fluminense, de 2007 a 2009.

A principal mudança vista até aqui entre o Cruzeiro de Ceni e o de Mano foi a postura mais ofensiva. Enquanto o técnico anterior adotava uma filosofia mais reativa, o atual gosta da posse de bola e do ataque a qualquer custo. Maior responsável pela criação do time, Thiago Neves agradece.

"Dos treinadores que eu peguei, dois têm a forma como eu gosto de jogar. O Renato Gaúcho e o Rogério são muito parecidos. Eu gosto de bola no pé, gosto de ser agressivo o tempo inteiro, de fazer a marcação o quanto antes, de não ficar correndo muito atrás da bola. Para a gente está sendo muito diferente, mas importante pela qualidade do nosso time. A chegada dele muda muito, mas era o que precisávamos", comentou o meia.

Com Mano, Thiago se acostumou a passar mais tempo à espera de um contra-ataque para só então descer em velocidade. Agora, ele faz o trabalho coletivo de tentar tomar a bola rapidamente antes de construir as jogadas.

Na partida contra o Santos, Thiago começou no meio-campo, mas precisou ser recuado para ajudar na saída de bola ao lado de Henrique. Mesmo jogando improvisado de volante, o jogador aprovou a função que o deixou mais solto para dar qualidade na transição de jogo ao mesmo tempo que o permitia pisar mais no campo adversário, uma postura que Ceni quer ver dos seus volantes a partir de agora.

Daqui para frente, a tendência é que Robinho faça essa função, o que não significa que Thiago terá menos liberdade para jogar da maneira que prefere.

"Dá para controlar, nosso time só tem 'nego' cascudo. É melhor correr cinco metros para roubar a bola rápido do que correr mais tempo atrás da bola. Melhor dar um pique curtinho para ficar com a posse de bola. É melhor ficar com ela que atrás dela", acrescentou.

Com a confiança passada por Ceni, Thiago voltou a corresponder às cobranças da torcida, pelo menos no primeiro jogo, marcando um gol e dando uma assistência. Antes da estreia de Ceni, o meia havia feito partidas apagadas em jogos importantes como no clássico contra o Atlético-MG e na semifinal da Copa do Brasil, contra o Internacional.

"É a forma como eu gosto de jogar. Eu gosto de ficar solto em campo, de participar bem, de organizar o time. Antes eu não estava conseguindo fazer isso. Agora, com o Rogério, pela confiança e liberdade que ele me deu, isso me ajuda muito", finalizou.