PUBLICIDADE
Topo

Caso Neymar: Mauro Naves prestou depoimento em inquérito sobre extorsão

Reprodução/TV Globo
Imagem: Reprodução/TV Globo

Felipe Pereira

Do UOL, em São Paulo

31/07/2019 04h00

Mauro Naves foi uma das pessoas intimadas a prestar depoimento no inquérito que a Polícia Civil abriu para apurar denúncia de extorsão feita por Neymar e seu pai contra José Edgard Bueno Filho, ex-advogado de Najila Trindade. O jornalista foi ouvido enquanto era disputada a última semana da Copa América, que teve final realizada em 7 de julho. O repórter disse que sua participação no caso é "irrelevante". Ainda assim, o envolvimento fez ele ser afastado pela Rede Globo da cobertura da competição em um primeiro momento e demitido depois do torneio.

O caso corre na 11ª Delegacia de Polícia. O jornalista contou que o depoimento transcorreu sem polêmicas. Mas Mauro Naves preferiu não revelar detalhes sobre o que os investigadores queriam saber. Ele também afirmou que está no meio de uma disputa entre acusação e defesa.

"Nessa briga entre os advogados dos dois lados, minha participação é irrelevante. Na delegacia, fui recebido de forma muito respeitosa e, de maneira muito tranquila, respondi a tudo que me foi perguntado. E como [a investigação] corre em sigilo de Justiça, me comprometi a não divulgar o teor das perguntas e respostas. E assim farei. Mas saiba que nada aconteceu de excepcional", informou à reportagem, via WhatsApp.

As declarações repetem o que Mauro Naves havia dito no primeiro contato com o UOL Esporte, ocorrido na semana passada. Ele estava tentando se manter afastado de notícias ligadas à acusação de estupro que pesa contra Neymar porque entende que este tipo de conteúdo causa prejuízos a sua imagem. Em outras trocas de mensagens, o jornalista contou que estava com a consciência limpa e que seu interesse no caso sempre foi jornalístico.

"Estava em busca de mais uma notícia em primeira mão. Um furo, que se tornou, infelizmente, uma furada".

Neymar - REUTERS/Luiza Gonzalez - REUTERS/Luiza Gonzalez
Imagem: REUTERS/Luiza Gonzalez

O envolvimento de Mauro Naves com o caso apareceu logo no começo das investigações da denúncia de estupro feita por Najila Trindade. Nos primeiros dias de inquérito, foi tornado público que o jornalista havia passado o telefone de Neymar pai a José Edgard Bueno Filho, primeiro advogado da modelo. Ambos também foram vistos almoçando juntos em Teresópolis quando a seleção brasileira se preparava para a Copa América ainda na Granja Comary.

Neymar pai acusou José Edgard Bueno Filho de tentativa de extorsão. O advogado participou de um encontro com representantes de Neymar, e o pai do jogador afirmou que foi solicitado um "cala boca". José Edgard refuta a versão e argumenta que foi atraído para uma armadilha criada com intuito de forjar um álibi para o atacante.

A guerra de versões ganhou a imprensa e saiu dos jornais para a Polícia Civil quando Neymar e seu pai entregaram uma petição na 11ª Delegacia reclamando que foram vítimas de tentativa de extorsão. Mauro Naves foi intimado a depor no princípio das investigações. A esta altura, os prejuízos para a carreira dele já haviam começado.

O Brasil faria um amistoso de preparação para a Copa América contra o Qatar em 5 de junho. Horas antes, William Bonner leu uma carta aberta revelando o afastamento do repórter, que há tantos anos cobria a seleção.

"Mauro Naves é um excelente profissional, com grandes contribuições ao jornalismo esportivo da Globo. Mas há evidências de que suas atitudes neste caso contrariaram a expectativa da empresa sobre a conduta de seus jornalistas", dizia um trecho da carta.

O jornalista foi demitido em 8 de julho depois de 31 anos na emissora. Desde então, não fez declarações públicas. José Edgard Bueno Filho e a assessoria de Neymar foram procurados pela reportagem, mas nenhum deles quis se manifestar.

Futebol