Topo

Atlético-MG comunica aposentadoria de Adilson por problemas cardíacos

Volante acompanhou a delegação alvinegra no Mineirão, ontem, mas sequer ficou no banco de reservas - Divulgação/Atlético-MG
Volante acompanhou a delegação alvinegra no Mineirão, ontem, mas sequer ficou no banco de reservas Imagem: Divulgação/Atlético-MG

Enrico Bruno

Do UOL, em Belo Horizonte

12/07/2019 14h43

O Atlético-MG convocou uma entrevista de imprensa na tarde de hoje para anunciar que o volante Adilson irá encerrar sua carreira. Além do volante de 32 anos, estavam presentes na entrevista o diretor de futebol, Rui Costa, o médico Rodrigo Lasmar e o cardiologista Haroldo Aleixo. Segundo os profissionais do clube, o jogador foi diagnosticado com uma cardiomiopatia durante a intertemporada que o impede de seguir jogando futebol.

"É talvez um dos dias mais difíceis da minha carreira. Passo a palavra para o doutor Rodrigo Lasmar. O Adilson não queria que fizéssemos qualquer manifestação antes do jogo de ontem", iniciou Rui Costa, antes de passar a palavra para o cardiologista Haroldo Aleixo, que comunicou o problema do jogador.

"Fizemos uma avaliação na intertemporada que caracterizou uma cardiomiopatia, uma doença cardíaca que o impede de seguir como atleta profissional de futebol. A partir desse momento, nossos primeiros cuidados foram discutir com outros dois médicos sobre diagnóstico e a conduta. Houve uma unanimidade em definir por abreviar a continuidade da carreira do Adilson como atleta de futebol", disse o cardiologista.

"O atleta passa por algumas avaliações protocolares estabelecidas na literatura internacional. Isso foi feito desde o início, porém o Adilson tinha algumas características específicas que nos faziam ter um cuidado especial em monitorá-lo. Essas baterias de exames são refeitas periodicamente, conforme determinado pela literatura médica da cardiologia do esporte. Dentro dessas várias baterias de exames, em todas elas, exceto nessa última, o que se constatou é que ele estava perfeitamente apto para a prática do futebol, sem riscos. Nessa última avaliação, identificamos a cardiomiopatia hipertrófica, que o impede de seguir jogando com segurança", acrescentou.

A informação foi divulgada na manhã de hoje pelo jornalista Paulo Azeredo. Desde o último sábado, a assessoria do Atlético informou que o atleta estava liberado dos treinos para resolver assuntos particulares. Na noite de ontem, Adilson esteve presente com a delegação alvinegra no Mineirão, para a partida contra o Cruzeiro, mas sequer ficou no banco de reservas.

"Não preparei nada em especial. Vim aqui só para agradecer todo o apoio, todo o suporte do departamento médico, do presidente. Agradecer essa rapazeada que está aqui. É isso o que nos fortalece. Eu agradeço todos vocês por tudo o que vocês têm feito. Não só por este momento, mas por tudo o que passamos pelos últimos anos. Tenho recebido uma série de mensagens nas últimas horas e não pude responder ninguém ainda. Esperei este momento. Estou bem. Queria tranquilizar a todos da minha família e amigos, a todos os que estão aqui. Não tive nenhuma reação física desse processo todo aqui. Vinha treinando e me preparando para o clássico. Agora a vida vai seguir, vou seguir no dia a dia do clube", falou o jogador.

Bruno Cantini/Atlético
Imagem: Bruno Cantini/Atlético

"Todo cuidado no momento de tratar dessa situação. Achei que seria mais fácil falar alguma coisa. Minha família está sofrendo, todos estão. Eu agradeço, a vida vai seguir, com minha filha chegando. Vou estar junto dessa rapazeada que tenho como irmãos. Eles são a última chance que tenho de ganhar um troféu grande", acrescentou Adilson, citando o nascimento da filha, marcado para o dia 22. Os companheiros de Atlético dividiram o espaço da coletiva com profissionais da imprensa. Após falar, Adilson foi aplaudido por todos, se emocionou e recebeu o abraço dos colegas.

A última partida de Adilson pelo Atlético foi em 13 de junho passado, no empate em 1 a 1 contra o São Paulo, na Arena Independência. Na ocasião, ele participou de 85 minutos do confronto.

Adilson foi revelado pelo Grêmio e chegou ao Atlético em maio de 2017 depois de defender o Terek Grozny, da Rússia, por cinco temporadas. Em três anos na Cidade do Galo, ele disputou 97 partidas e marcou dois gols. Em sua passagem pela capital mineira, ele venceu apenas o título estadual de 2017.

Com a aposentadoria de Adilson, o Atlético perde mais um volante no elenco. Zé Welison, Elias, Jair, Ramón Martínez estão à disposição de Rodrigo Santana. Lucas Cândido ainda é jogador do clube, mas pode ser negociado em breve com o Vitória. Por fim, Gustavo Blanco se recupera de lesão e só voltará aos gramados em 2020.