Topo

Futebol


Caso Neymar: Najila vê sinais de perseguição e saúde preocupa

Najila Trindade deixa delegacia carregada pelo advogado - REUTERS/Amanda Perobelli
Najila Trindade deixa delegacia carregada pelo advogado Imagem: REUTERS/Amanda Perobelli

Felipe Pereira, Karla Torralba e Luiza Oliveira

Do UOL, em São Paulo

09/06/2019 12h00

Najila Trindade desabou a chorar após seu encontro com Neymar no dia 15 de maio, ligou para uma amiga no Brasil para contar o que havia acontecido no encontro com o jogador e só dormiu após tomar remédio, quando "apagou". Essa é a versão da modelo sobre o que aconteceu no quarto de hotel em Paris, dada em entrevista e em depoimento na última sexta-feira que o UOL relatou hoje. Esse foi o começo de uma fase de pouco sono e muitos remédios para a modelo, que vê sinais de perseguição desde que Neymar deixou o seu quarto pela primeira vez.

No depoimento que prestou à Polícia Civil, Najila declarou que está recorrendo a remédios. "Afirma que em razão do trauma sofrido, está fazendo uso de ansiolíticos (Lexotan, Dermonidi)", diz o relato às autoridades. Em outro trecho, a modelo explica o motivo dos problemas relatados. "Após Neymar divulgar através do Instagram a conversa trocada através de aplicativo 'WhatsApp' ficou muito abalada emocionalmente e começou a fazer uso de ansiolíticos".

Os remédios seriam usados para dormir. Ela não estaria conseguindo descansar naturalmente depois do encontro em Paris. "Só com medicamentos", falou em entrevista ao SBT.

Najila narrou o uso de ansiolíticos para dormir ao médico que produziu um dos laudos particulares apresentados. Especialista em gastroenterologia, o profissional relatou no documento o "transtorno misto ansioso e depressivo" como hipótese diagnóstica principal para o caso e encaminhou a modelo a um médico psiquiatra "para orientá-la quanto ao transtorno de ansiedade e depressão".

Na conversa com Neymar após o encontro, Najila mostra abalo emocional e fala que precisará de um terapeuta. "Tá doido? Eu pedi para parar e você até pediu desculpas, mas agora mais uma pra terapia", disse.

Uma semana depois de o boletim de ocorrência contra Neymar por estupro vir a público, a saúde de Najila preocupa seu representante legal, Danilo Garcia de Andrade. Foi o advogado quem carregou a modelo no colo na última sexta (08), após a cliente passar mal ao dar depoimento na 6ª Delegacia de Defesa da Mulher, em São Paulo. No local, ela desmaiou e chegou a bater a cabeça no chão. O diagnóstico no posto de saúde foi estresse, pressão baixa, cansaço e uso de medicamentos.

A cena incomum passou a ser transmitida exaustivamente na TV e outros meios de comunicação. Najila foi ao hospital, do qual chegou e saiu recebida aos gritos de Neymar, em apoio ao acusado. "Ela está abaladíssima. Não está comendo, está muito magra e chora compulsivamente. O dia inteiro. Vive à base de remédios", disse o advogado Garcia de Andrade em entrevista na quinta (06).

A saída da delegacia rumo ao hospital foi gravada pelos helicópteros que sobrevoavam a 6ª DDM e lembrou uma perseguição, como nos filmes. É assim que Najila diz se sentir: perseguida, ameaçada, insegura. "Coisas estavam rolando atrás de mim. Nas minhas costas. Pessoas planejando, sei lá, minha morte. Eu entrei numa psicose horrível. Eu fiquei com a sensação de que poderiam me matar. Me sinto pressionada pelas pessoas por trás da carreira dele. As coisas chegam em ligações, mensagens", falou ao SBT.

Em seu depoimento relatou que a sensação de insegurança começou em Paris e por isso decidiu gravar o segundo encontro que teve com Neymar. "A declarante afirma que saiu do hotel para comer, pois estava paranoica. A declarante afirma que decidiu fazer o vídeo por medo do que poderia lhe acontecer quando ele retornasse ao quarto do hotel", afirmou.

Ao seu primeiro advogado, José Edgard Bueno, vai mais longe e fala de pânico e morte. "Eu achei que nem ia chegar viva no Brasil. Estou sem dormir. Pânico", escreveu a modelo, que faltou na primeira reunião marcada com o profissional em 20 de maio alegando "enxaqueca e trauma".

Najila relatou o medo de morrer também ao atual representante legal. "Segundo minha cliente, ela estava sofrendo ameaças de pessoas que seriam ligadas ao Neymar. Sua vida não vai durar muito, esse tipo de coisa", contou Garcia de Andrade.

Enquanto jornalistas ficam de plantão em frente ao seu antigo endereço, na zona sul de São Paulo, ela se mudou pela segunda vez desde a divulgação de que havia denunciado Neymar. Primeiro a modelo se hospedou na casa de sua ex-advogada Yasmin Pastore Abdalla. Longe de casa, relatou que o local havia sido arrombado na última semana e que o tablet com a íntegra do vídeo no quarto de hotel com o Neymar foi levado. À polícia, explicou que foi sua amiga Rosângela quem alertou sobre a invasão ao local e que não lembra mais detalhes "pois estava dopada". Agora, está em outro local. Tudo para despistar quem pode representar uma ameaça.

Futebol