Topo

Fortaleza tem Nenê como sonho distante e prioriza contratação de zagueiro

Nenê é o líder de assistências do São Paulo na temporada, mesmo jogando pouco - Marcello Zambrana/AGIF
Nenê é o líder de assistências do São Paulo na temporada, mesmo jogando pouco Imagem: Marcello Zambrana/AGIF

Bruno Grossi

Do UOL, em Fortaleza

09/05/2019 17h49

O Fortaleza quis, insistiu, se esforçou, mas não deve conseguir fechar a contratação de Nenê, do São Paulo. Pelo menos não a curto prazo. O presidente do time cearense, Marcelo Paz, explicou ao UOL Esporte como se deu a investida pelo meia de 37 anos e as razões para que esse seja, agora, um sonho distante para reforçar o Leão do Pici no Campeonato Brasileiro.

"Nenê é um grande jogador. Tivemos uma busca forte por ele. Eu mesmo me empenhei muito por isso. Tivemos um contato direto com o jogador, conversamos muito com o São Paulo, mas na época não andou. Achei realmente que iria acontecer, mas não andou. O São Paulo voltou a utilizar o jogador na reta final do Campeonato Paulista e a situação muda", contou Paz, em seu escritório na sede do Fortaleza:

"Trouxemos outros jogadores, mudamos a forma de jogar, o orçamento foi comprometido. Então hoje (contratar Nenê) é algo bem mais distante. Mas ele não deixou de ser um grande jogador e para a gente seria muito bom tecnicamente, pela figura que ele é, para a torcida. Mas como não andou quando fomos com força, e foram três semanas falando direto, agora esfriou".

O elenco do Fortaleza foi se moldando de outras formas diante da dificuldade de contratar Nenê. O técnico Rogério Ceni buscou soluções para a falta de um armador, passou a escalar o time com quatro homens de frente e foi ao mercado encontrar mais atacantes, como André Luís e Kieza. Agora, o foco está na busca por um zagueiro.

"A gente tem a necessidade de trazer mais um zagueiro, é uma carência do elenco já identificada. Então esse é nosso foco no momento. Mas naturalmente as coisas mudam também. Tem a parada para a Copa América, quando poderemos ver outras posições para qualificar, quando jogadores naturalmente podem sair", ponderou Marcelo Paz.

São Paulo