Topo

Ceni reencontra fãs e "órfãos" em partida entre São Paulo e Fortaleza

Rogério Ceni é observado por jogadores durante treino do São Paulo - Marcello Zambrana/AGIF
Rogério Ceni é observado por jogadores durante treino do São Paulo Imagem: Marcello Zambrana/AGIF

José Eduardo Martins

Do UOL, em São Paulo

09/05/2019 04h00

Quando entrar em campo para dirigir o Fortaleza na partida contra o São Paulo, neste domingo, a partir das 19h, na Arena Castelão, Rogério Ceni vai reencontrar velhos amigos e companheiros. Pelo lado do Tricolor paulista, estarão também "fãs" e jogadores que perderam espaço no clube após a demissão do ex-goleiro em julho de 2017.

Além de admirar o ídolo por todas as conquistas acumuladas durante os 25 anos no clube do Morumbi, Arboleda, por exemplo, tem uma dívida de gratidão com o Mito. Não fosse a indicação do ex-arqueiro, dificilmente ele teria deixado o Universidad Católica do Equador para acertar com a equipe brasileira. Curiosamente, porém, ele não teve a oportunidade de ser dirigido pelo treinador, pois fez sua estreia no Brasil logo após a saída de Ceni (jogo contra o Santos, no dia 9 de julho de 2017). Desta vez, ele não vai poder entrar em campo por causa de um estiramento na coxa esquerda.

"Acho que é um prazer enfrentar o Rogério Ceni. É um ídolo no São Paulo. Todo mundo respeita ele, e eu sou muito grato a ele, porque vocês sabem, estou aqui no São Paulo por causa dele. Os resultados não foram bons e ele teve de sair, mas para mim seria um prazer enfrentá-lo", disse Arboleda, em entrevista ao UOL Esporte.

O bom desempenho de Ceni à frente do Fortaleza foi acompanhado de perto pelos são-paulinos. Neste período como treinador da equipe cearense, ele participou das conquistas dos títulos da Série B do Brasileirão de 2018 e do estadual de 2019. Hoje, a sua equipe vai disputar a semifinal da Copa do Nordeste, contra o Santa Cruz.

"Fico muito grato pelo que ele fez, mas espero que o São Paulo ganhe do time dele. Estou contente pelo desempenho dele no Fortaleza, espero que as coisas sejam boas para ele neste ano", completou Arboleda.

A partida deste domingo será válida pela quarta rodada do Campeonato Brasileiro. O São Paulo ocupa a terceira colocação na tabela, com sete pontos (atrás de Atlético-MG, com nove, e Palmeiras, também com sete). Já o Fortaleza é o 16º com três.

Sem espaço

Ainda há o caso de jogadores que caíram de rendimento e perderam o prestígio após a saída de Ceni. Júnior Tavares, emprestado para a Sampdoria, da Itália, por exemplo, era considerado uma das principais promessas do Tricolor paulista e chegou até a renovar contrato com o clube após ser sondado por equipes europeias, como o Ajax. Com a chegada de Dorival Júnior, ele nunca mais reeditou os bons momentos no São Paulo e no ano passado, já sob o comando de Diego Aguirre, acertou a transferência para a Europa.

Hoje reserva no São Paulo, o atacante Brenner foi lançado no profissional aos 17 anos por Rogério Ceni, ao estrear contra o Atlético-PR, no dia 21 de junho de 2017. O jovem passou a brilhar ainda mais sob a tutela de Dorival Júnior e fechou aquele ano como uma das esperanças do clube - era chamado até de filho de Lugano. Na temporada passada, porém, ele foi caindo de rendimento e perdeu espaço no time.

Ainda no elenco do São Paulo, Jonatan Gomez também chegou ao Morumbi quando Rogério Ceni era o comandante. O argentino estava no Santa Fé, da Colômbia, e acertou com o Tricolor em junho de 2017. Porém, da mesma maneira que Arboleda, só estreou após a demissão do ex-goleiro. Após uma temporada sem brilho, foi emprestado e jogou em 2018 pelo Al-Fayhaa, da Arábia Saudita. Neste ano, voltou ao São Paulo, mas ainda não se firmou como titular.

Recusa de ofertas

A força de Rogério Ceni é tamanha que alguns jogadores, mesmo sem ter a certeza de que seriam titulares no São Paulo, chegaram até a recusar propostas para tentar trabalhar com o ex-goleiro. O zagueiro Lucão, que hoje faz trabalho físico no Tricolor para se recuperar de lesão e deve acertar a transferência para outro clube, tinha sido procurado pelo Vitória e pelo Dínamo Zagreb em 2017. Depois de conversar com o ex-arqueiro, decidiu permanecer no Morumbi.

O também zagueiro Lucas Kal, uma das promessas da base, queria ter a chance de atuar no profissional sob o comando do ex-goleiro e, por isso, não fechou com um clube do México. O defensor, porém, acabou sendo emprestado para o Paraná, ainda em 2017. No ano passado, jogou pelo Guarani e pelo Vasco. Já nesta temporada, está à disposição no elenco de Cuca.