PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Ferido mais grave relata o que viveu na tragédia do Fla: "tudo escuro"

Jhonata Ventura foi um dos três sobreviventes da tragédia no Ninho do Urubu - Reprodução/Rede Globo
Jhonata Ventura foi um dos três sobreviventes da tragédia no Ninho do Urubu Imagem: Reprodução/Rede Globo

Do UOL, em São Paulo

05/05/2019 12h09

Um dos três sobreviventes do incêndio no Ninho do Urubu, Jhonata Ventura contou o que passou no dia 8 de fevereiro, quando 10 adolescentes morreram na tragédia no CT do Flamengo. O zagueiro foi o ferido com mais gravidade.

Jhonata Ventura teve 30% do corpo queimado e chegou em estado grave ao hospital. Ele falou sobre o que aconteceu ao Esporte Espetacular da Rede Globo.

"Eu fui dormir umas 2h/1h30, por aí. Eu lembro que estava deitado e ouvi gritos do outro quarto. Pensei que fosse brincadeira ou briga. Tinha muito disso, um ficava trolando o outro", contou.

Jhonata relembrou que outro sobrevivente, Cauan Emanuel, havia trocado de quarto naquela noite. "Cauan trocou e veio para o nosso, porque ele era mais da nossa resenha". Além dos dois, Francisco Dyogo foi o terceiro sobrevivente.

O desespero daquela madrugada é relatado pelo zagueiro. "Depois de uns 5 minutos, não sei. O Dyogo pulou da cama dele falando que estava pegando fogo e todo mundo ia morrer. A gente abriu a porta principal do quarto, aquela fumaça, vapor forte. Tinha um sofá na nossa frente, começou a pegar fogo ali".

"A gente começou a colocar o rosto para fora da janela, foi desesperador, gritamos para o monitor. Fomos pulando a janela de um em um".

Jhonata sentiu o fogo em sua camisa ao tentar fugir do quarto. "Do nada começou ardência na camisa, eu comecei a me debater desesperado, gritando, estava tudo escuro, eu lembro de ter gritado Athila, mas sem ver nada. Eu fui batendo a mão na parede, na beliche e do nada ficou escuro e alguém me puxou. Eu caí no chão, respirei, olhei para trás e vi aquele estado que estava. São coisas que não dá pra esquecer", lamentou.

Athila citado é Athila Paixão, um dos mortos na tragédia. Jhonata só soube dos amigos que perdeu depois, quando estava um pouco melhor, no hospital. "Foram falando os nomes e foi como um soco na cara".

Futebol