PUBLICIDADE
Topo

Santos

Ídolos do Santos exaltam Coutinho em velório: "Superior a Pelé na área"

Corpo de Coutinho é velado na Vila Belmiro com bandeira do Santos - UOL
Corpo de Coutinho é velado na Vila Belmiro com bandeira do Santos Imagem: UOL

Eder Traskini

Colaboração para o UOL, em Santos

12/03/2019 11h50

O corpo do ex-jogador Coutinho é velado no Salão da Mármore da Vila Belmiro desde a 1h da manhã de hoje. Ele faleceu na noite de ontem e o enterro será no final da tarde de hoje, às 18h, no cemitério Memorial.

Desde o início, vários ídolos do Santos já passaram para se despedir do lendário centroavante, entre eles Dorval, Mengálvio, Pepe, Edu, Clodoaldo, Juary, João Paulo e Manoel Maria.

O meia-atacante Manoel Maria, que atuou com Coutinho entre 1969 e 70, rasgou em elogios ao camisa 9 que foi o parceiro ideal do Rei Pelé durante toda carreira.

"Muito rápido e dentro da área foi o mestre, dizem que foi superior a Pelé dentro da área. Deixa um legado de grandes vitórias. O mais novo a estrear em uma equipe profissional. Um gênio. Um toquinho só, sem chutão, só deslocava. Era acima da média e é só ver a média. Sempre com problema de peso e assim mesmo fez 370 gols e tiraram dois. Agora falam em 368", disse Manoel Maria, e de fato o Memorial das Conquistas estampa 370 gols de Coutinho com a camisa do Peixe.

Juary, atacante ídolo da década de 80, foi outro a classificar Coutinho como o "maior centroavante desse clube" e lembrou com carinho dos ensinamentos daquele que chamava de pai. "Foi aqui na Vila Belmiro, a bola sobrou na pequena área e foi parar na padaria. Ele veio e falou: 'Menino, vem cá'. Deu um tapa e ela foi entrando, nem chegou na rede. 'Cadê a torcida? Está em pé? E o bandeirinha correu? Então, para que arrebentar a bola, está com raiva?' Nunca mais dei um chutão, aprendi com ele. Foi uma lenda viva", afirmou.

O ponta-esquerda Edu, que jogou com o ídolo, reforçou seu domínio da grande área e lembrou a inteligência nas tabelas. "Raciocínio rapidíssimo. Joguei nesse ataque, dizia para tocar nele e sair que eu ia receber. Que poderia tocar de qualquer jeito. Habilidade incrível, domínio fantástico. Foi um professor na pequena área, dominava aquilo aqui como ninguém. Gols que a bola nem chegava ao fundo da rede. Não sabia bater forte, tinha categoria incrível. Ele foi perfeito, um grande professor."

Pepe, que formou o ataque dos sonhos ao lado de Coutinho, disse que o lendário centroavante e Pelé inventaram as tabelinhas. "As tabelinhas com Pelé ficaram marcadas para sempre. Nasceram ali as tabelas no futebol. Santos teve outros grandes centroavantes como Pagão e Toninho Guerreiro, mas Coutinho foi o maior de todos. Não havia tempo ruim. Uma lacuna difícil de ser preenchida e nosso coração está de luto, o Santos também. Nosso amigo de sempre merece descansar em paz."

Clodoaldo, que também jogou com Coutinho, reforçou as palavras de Pepe sobre a magia das tabelas entre o lendário centroavante e Pelé. "Ele usava a bola leve, mas com precisão muito grande. Por isso buscava sempre a perfeição. Criou a tabela com Pelé, a maior de todos os tempos. Deixa um vazio muito grande. Encontrava ele nos restaurantes e bares, quando ele jogava uma carta e tomava uma cerveja. Uma vida simples, humilde, mas com personalidade muito forte."

João Paulo, outro atacante ídolo do final da década de 70 e início de 80, também foi treinado por Coutinho no Santos. "Infelizmente a vida nos proporciona isso. Sexta-feira estive na casa dele, vi que a situação não estava legal e pedi até para o pessoal aproveitar pra ir visitá-lo."

Santos