PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Eleição da Fifa vai para 2º turno; Gianni Infantino é o mais votado

Gianni Infantino teve 88 votos dos 207 possíveis no primeiro turno - AFP PHOTO / OLIVIER MORIN
Gianni Infantino teve 88 votos dos 207 possíveis no primeiro turno Imagem: AFP PHOTO / OLIVIER MORIN

Do UOL, em São Paulo

26/02/2016 12h09Atualizada em 26/02/2016 12h31

Como já era esperado, a definição do novo presidente da Fifa será conhecida em um segundo turno. Em votação realizada nesta sexta-feira de manhã (horário de Brasília), na sede da Fifa, o suíço Gianni Infantino (secretário-geral da Uefa) teve a melhor votação, à frente do xeque do Bahrein Salman Al Khalifa (presidente da Confederação Asiática).

Gianni Infantino teve 88 votos. Salman Al Khalifa ficou com três votos a menos. O príncipe jordaniano Ali Bin Al-Hussein (vice-presidente da Fifa) teve 27 votos. Champagne teve quatro votos. Jérôme Champagne (ex-secretário-geral adjunto da Fifa) recebeu 7 votos.

Representantes de federações da Fifa participam de votação para escolha do presidente da entidade - REUTERS/Arnd Wiegmann - REUTERS/Arnd Wiegmann
Representantes de federações da Fifa participam de votação para escolha do presidente da entidade
Imagem: REUTERS/Arnd Wiegmann

O returno acontecerá nesta sexta-feira à tarde (horário de Brasília). O candidato que conseguir 104 votos ou mais vencerá a eleição. Se nenhum candidato alcançar 104 votos, será eliminado o que tiver pior votação, havendo um terceiro turno.

O sul-africano Tokyo Sexwale retirou sua candidatura minutos antes do pleito. Ele não tinha nem o apoio de sua confederação. Sexwale destacou que sua presença na campanha eleitoral serviu para levantar a bandeira contra o racismo no futebol. O empresário sul-africano não manifestou apoio a nenhum candidato ao 2º turno.

Favoritos, Gianni Infantino e Salman têm importantes apoios para a disputa do comando da Fifa.

Infantino tem o apoio de grande parte da Uefa (com direito a 53 votos), da Conmebol (10 votos) e de parte da Concacaf (direito a 35 votos).

A CBF foi representada na votação por Ednaldo Rodrigues, presidente da Federação Baiana de Futebol.

Já Salman conta com o apoio maciço da bancada asiática na Fifa, composta por 46 federações, além da promessa de votos do maior colegiado da Fifa: a África, com direito a 54 votos.

Os dois candidatos miram os votos da Oceania (10 votos), além dos votos do 1º turno que foram destinados aos outros rivais. Infantino e Salman também lutam pelos votos que foram dados no primeiro turno a Champagne e príncipe Ali Bin Al-Hussein.

Infantino e Salman tiveram campanhas parecidas. Ambos defendem maior transparência financeira na Fifa. Infantino é favorável ao aumento de seleções na Copa do Mundo (de 32 para 40). Salman diz que batalhará para que as decisões da Fifa sejam democráticas.

Futebol