PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Mattos

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Galo ganha quase R$ 40 mi por título; quanto valem posições no Brasileiro

Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

09/12/2021 04h00

A rodada derradeira do Brasileiro vai, enfim, definir o quarteto do rebaixamento e as últimas vagas na Libertadores. Enfim, é hora de definir, do 1 ao 20, a classificação para a história, nesta quinta-feira (9). Cada uma dessas colocações vale dinheiro, muito dinheiro, segundo ditado pelo contrato de direitos de TV. O campeão Atlético-MG, por exemplo, levará para casa quase R$ 40 milhões pelo título, valor turbinado pelo reajuste desse acordo. Entenda aqui as regras e veja quanto vale cada lugar para seu time.

A partir de 2019, o novo contrato da Globo estabeleceu que uma parte significativa do total de TV aberta e fechada seria distribuída pela colocação na tabela. São 30% dos acordos de direitos (cada clube tem um individual) que são divididos por este critério. Anteriormente, havia uma premiação com o dinheiro de TV, mas em proporção menor. Nunca foi dinheiro da CBF, é bom ressaltar.

Pois bem, pelo valor total do contrato, serão destinados R$ 396 milhões para premiação na tabela pela Globo. Na verdade, esse montante é um pouco menor porque há times que fecharam acordo com a Warner/Turner para receber parte do bônus em seus contratos de TV fechada. Mas usemos esse valor como referência para calcular a cota de cada um.

Em 2019, a Globo tinha como valor de referência R$ 330 milhões para premiação. Mas, após dois anos, houve um reajuste em torno de 20% somados os dois anos, segundo apurou o blog. Isso está previsto nos acordos, um reajuste por uma média de índices de inflação. Com isso, o montante total subiu, e consequentemente a premiação.

O que não mudaram são as regras de distribuição. O campeão leva 10% desse total. Ou seja, o Galo ficará com algo em torno de R$ 39,6 milhões. Esse valor é aproximado, lembremos. A partir daí, há um desconto de 0,5% a cada posição até o meio da tabela. Então, o vice-campeão Flamengo fica com 37,6 milhões. Já o Palmeiras, como tinha acordo com a Warner até 2021, só leva em torno de 60% de 35,6 milhões —o restante será pago pela Warner.

Todos os clubes que tiverem contratos com a Globo levam o valor integral com desconto aproximadamente de R$ 2 milhões por posição. Então, o Corinthians terá a premiação de R$ 33,6 milhões.

Além disso, os cinco primeiros, que inclui também o Fortaleza, já garantiram vagas na fase de grupos da Libertadores. Com isso, cada um receberá pelo menos US$ 3 milhões (R$ 16,6 milhões) da Conmebol. Resta uma vaga nesse grupo de elite, que é disputada por Red Bull Bragantino, Fluminense e América-MG. Quem ficar na fase inicial da Libertadores terá direito a US$ 350 mil pelos dois primeiros jogos.

Voltando, lembremos que, na primeira metade da tabela, cada posição —para cima ou para baixo— apresenta uma variação de R$ 2 milhões. Financeiramente, há ainda, então, uma relevante disputa pela décima posição do Brasileiro, que tem a remuneração de R$ 21,6 milhões. A partir do 11º, a premiação cai 0,8%, isto é, R$ 3,1 milhões.

Pelos cálculos do blog, após apuração sobre os critérios e reajustes do contrato, a menor cota de premiação fica para o 16º lugar, com R$ 13 milhões. Importante: os quatro clubes rebaixados não recebem cota nenhuma por colocação.

Houve uma tentativa de mudar essa regra e pagar os times rebaixados em negociação com a Globo. A proposta chegou a ser aprovada por todos os clubes e pela emissora, mas o Athletico-PR vetou. Era preciso ser unânime de acordo com as regras contratuais.

Ou seja, Juventude, Bahia, Cuiabá e Grêmio, que lutam por duas vagas na Série A, têm bastante dinheiro em jogo nesta última rodada. Além desse prejuízo inicial, ficam sem as cotas de TV aberta e fechada para a temporada de 2022.