PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Mattos

Final no SBT terá imagens similares às da Globo com inclusão de patrocínios

Palmeiras e Santos decidem a Libertadores 2020 - Reprodução
Palmeiras e Santos decidem a Libertadores 2020 Imagem: Reprodução
Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

29/01/2021 04h00

A transmissão da final da Libertadores no SBT terá uma cara bem parecida com que foi exibido pela Globo em 2019. Isso porque a Conmebol controla a produção e manteve o mesmo padrão de filmagem. Além da narração e comentários, a diferença será apenas a inclusão de patrocinadores da competição.

Com os novos contratos da Libertadores, a Conmebol optou por fazer a produção de todas as imagens dos jogos, assim como ocorre com a Fifa na Copa do Mundo e com a Uefa na Champions. Para isso, contratou empresas para fazer as filmagens que são distribuídas para os detentores de direitos.

A Torneos, empresa argentina, será responsável por Palmeiras x Santos. Outra agência, chamada Mediapro, vai atuar na parte de infraestrutura, com caminhões de produção, gráficos e distribuição das imagens para 191 plataformas pelo mundo. No ano passado, jogo Flamengo x River Plate, a Mediapro se encarregou de tudo sozinha.

De qualquer maneira, ambas seguem um padrão técnico estabelecido pela Conmebol, que é similar ao do do ano passado. Estão previstas 27 câmeras. O que muda são algumas inovações técnicas que sempre são aplicadas a cada ano, como vídeos de helicópteros, drones etc.

No total, o balanço da Conmebol estimou um custo de US$ 17,5 milhões (R$ 95 milhões) para a produção das partidas de suas competições. Isso porque todas passaram a ser de sua responsabilidade.

A essas imagens, são acrescentados os gráficos de padrão da Libertadores. A partir daí, a imagem é entregue ao SBT. Aí a diferença é que, para a Globo, era repassada a imagem limpa, sem interferências. No caso do SBT, serão imagens com as marcas de patrocinadores da Conmebol, como previsto em contrato.

Essa questão teve peso no acordo fechado pela confederação com a emissora paulista já que a exibição de patrocinadores incrementa seus contratos. Em compensação, o SBT paga menos pelos direitos de TV Aberta da Libertadores em relação ao contrato rescindido pela Globo. Outro ponto é que o SBT se comprometeu a transmitir a final mesmo que não houvesse um time brasileiro classificado, o que não era feito pela Globo. O contrato vai até 2022.

No geral, com a produção das imagens sendo feita pela Conmebol, aumentaram as restrições a veículos não detentores de direitos de fazerem vídeos dentro do Maracanã.