Perrone

Perrone

Siga nas redes
OpiniãoEsporte

Corinthians: sufoco na Série A mostra que gestão de Duilio é indefensável

Aliados de Duilio Monteiro Alves elogiam a gestão do atual presidente do Corinthians, apesar de admitirem erros no departamento de futebol.

Os principais argumentos para essa defesa são o aumento nas receitas e a redução da dívida.

A expectativa da direção é fechar 2023 com uma receita próxima a R$ 1 bilhão. Em 2021, primeiro ano da gestão de Duilio, entraram nos cofres alvinegros R$ 503 milhões.

Até agosto, havia sido registrada queda de R$ 36 milhões no endividamento corintiano em relação à situação em que Duilio pegou o clube das mãos de Andrés Sanchez, de acordo com a coluna de Rodrigo Mattos, no UOL.

Nesse cenário, os apoiadores do filho de Adilson Monteiro Alves afirmam que o cartola optou por melhorar as finanças do clube a gastar fortunas para ser campeão.

Mas nesse ponto o discurso perde força. Segundo o presidente corintiano, a folha de pagamentos do Corinthians, com impostos, está em R$ 22 milhões mensais. Não é um gasto modesto. Esse número combinado com o desempenho do time no Brasileirão torna indefensável a gestão de Duilio.

No último domingo (3), na penúltima rodada do Brasileirão, o Corinthians assegurou sua permanência na Série A, apesar de perder para o Internacional em casa no dia anterior. É muito pouco para quem gasta mais de R$ 20 milhões mensais com seu time de futebol.

O valor da folha de pagamento não é compatível com o discurso de austeridade financeira. E o desempenho da equipe não é condizente com a quantia gasta por mês.

É muito investimento para terminar o campeonato apenas com o alívio de não cair e uma vaga na Sul-Americana.

Continua após a publicidade

O resultado escancara que o dinheiro que Duilio aplicou no futebol não foi bem investido. Não dá para creditar o fraco desempenho da equipe a azar.

Não foi falta de sorte apostar, no início da temporada, em Fernando Lázaro, um treinador novato, após a má experiência com outro iniciante, Sylvinho. Não foi azar Cuca pedir demissão após apenas dois jogos. Duilio foi teimoso ao contratá-lo sabendo da rejeição da torcida e trazendo para dentro do clube o caso de estupro de um menina de 13 anos, em 1989, na Suíça, envolvendo jogadores do Grêmio na época. Cuca nega ter praticado ato sexual com a vítima.

Também não foi por falta de sorte que Luxemburgo, que tinha trabalhado como treinador pela última vez em 2021 pelo Cruzeiro, na Série B desembarcou no CT corintiano.

Em setembro, sem conseguir fazer o time decolar, Luxa foi demitido. Com seu substituto, Mano Menezes, a equipe chegou a evoluir em alguns aspectos. Mas muitos erros continuaram. Antes de escapar do rebaixamento, o Alvinegro foi goleado em casa pelo Bahia por 5 a 1. Não dá para descolar a imagem de Duilio desse vexame. É impossível aplaudir um gestor que entregou um resultado tão ruim no departamento que move o clube.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes