PUBLICIDADE
Topo

Perrone

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Perrone: Dar 'o troco' em torcedor argentino em Itaquera seria estupidez

Torcida comemora gol do Corinthians contra o Boca Juniors em La Bombonera, pela Libertadores  - Staff images / CONMEBOL
Torcida comemora gol do Corinthians contra o Boca Juniors em La Bombonera, pela Libertadores Imagem: Staff images / CONMEBOL
Perrone

Ricardo Perrone é formado em jornalismo pela PUC-SP, em 1991, cobriu como enviado quatro Copas do Mundo, entre 2006 e 2018. Iniciou a carreira nas redações dos jornais Gazeta de Pinheiros e A Gazeta Esportiva, além de atuar como repórter esportivo da Rádio ABC, de Santo André. De 1993 a 1997, foi repórter da Folha Ribeirão, de onde saiu para trabalhar na editoria de esporte do jornal Notícias Populares. Em 2000, transferiu-se para a Folha de S.Paulo. Foi repórter da editoria de esporte e editor da coluna Painel FC. Entre maio de 2009 e agosto de 2010 foi um dos editores da Revista Placar.

22/05/2022 13h46

Os relatos de dificuldades enfrentadas por torcedores corintianos na ida para a Bombonera na última a terça (17) alimentaram um sentimento de vingança facilmente identificado nas redes sociais.

A tese defendida por muitos torcedores do Timão é de que os argentinos são bem tratados quando vem ao Brasil e que isso é injusto.

Eles merecem sofrer como parte dos corintianos sofreu para entrar no mítico estádio do Boca com o jogo já em andamento.

A acusação central feita pelos alvinegros é de que a polícia fez de tudo para atrasar a entrada deles na Bombonera, incluindo um caminho bizarro para o estádio, a fim de gastar o tempo e horas sem que eles pudessem sair de ônibus e vans.

Torcedores que defendem a reciprocidade querem que a PM paulista dispense tratamento semelhante aos próximos argentinos que visitarem a Neo Química Arena.

Tal sentimento é até compreensível, mas colocar em prática o plano justiceiro seria estupidez em estado bruto, na opinião deste colunista.

Policiais militares não são pagos para fazer justiça com as próprias mãos e para agirem como vingadores.

Cobramos diariamente que a PM trate melhor o cidadão, seja ele torcedor ou não. Seria insanidade e xenofobia pedir um tratamento abusivo contra os argentinos.

Todos torcedores devem ser tratados com respeito, independentemente do time ou da nacionalidade.

Para o Corinthians, a vingança também não seria interessante. O clube deve zelar pelo bom atendimento aos consumidores que frequentam sua arena. A torcida adversária é, sim, consumidora.

É interesse do clube que torcedores dos times rivais liguem a Neo Química Arena a experiências seguras e confortáveis. Isso faz o cara querer voltar, o que é salutar para os cofres alvinegros.

Partir para a retaliação seria se apequenar. O momento exige exatamente o contrário: grandeza. O Corinthians precisa dar o exemplo tratando bem que vai aos seus jogos, seja torcedor do time da casa ou visitante.

Até aqui, o clube fez o que deveria ser feito. Compilou queixas para enviá-las à Conmebol, que precisa ser cobrada para tomar as medidas cabíveis.