PUBLICIDADE
Topo

Perrone

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Cotado no Corinthians para venda, João Victor mira seleção antes de sair

João Victor em treino do Corinthians - Rodrigo Coca/Agência Corinthians
João Victor em treino do Corinthians Imagem: Rodrigo Coca/Agência Corinthians
Perrone

Ricardo Perrone é formado em jornalismo pela PUC-SP, em 1991, cobriu como enviado quatro Copas do Mundo, entre 2006 e 2018. Iniciou a carreira nas redações dos jornais Gazeta de Pinheiros e A Gazeta Esportiva, além de atuar como repórter esportivo da Rádio ABC, de Santo André. De 1993 a 1997, foi repórter da Folha Ribeirão, de onde saiu para trabalhar na editoria de esporte do jornal Notícias Populares. Em 2000, transferiu-se para a Folha de S.Paulo. Foi repórter da editoria de esporte e editor da coluna Painel FC. Entre maio de 2009 e agosto de 2010 foi um dos editores da Revista Placar.

04/11/2021 04h00

Dirigentes do Corinthians calculam que o clube precisa fazer pelo menos uma boa venda de jogador no final do ano para aliviar a apertada situação financeira do Alvinegro. Nos bastidores, João Victor é cotado como o atleta com mais chances de ser bem negociado na próxima janela de inverno dos mercados mais relevantes da Europa. A expectativa é de que seu preço possa alcançar entre 10 milhões de euros (aproximadamente R$ 65,6 milhões) e 12 milhões de euros (cerca de R$ 78,7 milhões). O orçamento corintiano prevê receita de R$ 95,3 milhões com vendas de jogadores em 2021.

O Corinthians tem 55% dos direitos econômicos do zagueiro. O restante pertence ao Coimbra, clube ligado ao Banco BMG, patrocinador corintiano.

Apesar da necessidade de venda da agremiação, Daniel de Paiva, um dos empresários do jogador, acredita que a chance maior de transferência para seu cliente será na janela de verão da Europa, no segundo semestre do ano que vem. Isso porque é nesse período que acontecem as principais negociações. Além disso, o plano de carreira montado para o zagueiro não prevê uma negociação pouco depois de ele se transformar em titular. O projeto é chegar à seleção brasileira antes, além de tentar disputar uma Libertadores pelo Timão. Ou seja, o jogador não tem pressa para ser vendido e está feliz no Alvinegro, segundo o empresário.

"O desenho que a gente fez de plano de carreira junto [com o jogador] é esse, que, antes de ele ir para o exterior, ele pise na seleção com a camisa do Corinthians. O João está muito focado nisso. O caminho natural é esse, o cara começar a se destacar, fazer uma história, acho que o mercado de dezembro é mais light, de reposição. Acho que o mercado do João para ele sair do Corinthians é no meio do ano que vem, se tiver proposta boa", afirmou Paiva.

No entanto, o agente não descarta a possibilidade de venda entre o final deste ano e o início do próximo. Na avaliação dele, isso pode acontecer dependendo da movimentação do mercado, caso uma vaga de zagueiro se abra nos principais centros, o que provocaria uma dança das cadeiras na posição. Mas esse não é o plano original.

O atleta tem sido alvo de sondagens de pessoas ligadas a clubes da Europa, mas todas superficiais. Não há promessas de propostas serem feitas em breve.

O blog apurou que a diretoria alvinegra adota o discurso interno de que não pensa em negociar João Victor por menos de 10 milhões de euros, mas avalia que os 100% dos direitos valem 12 milhões de euros.

Em tese, uma negociação com o clube brasileiro mantendo parte dos direitos pode baratear o custo do comprador.

O Corinthians comprou João Victor, que tem contrato até 31 de dezembro de 2023, ainda como jogador da categoria sub-20. Segundo o balanço de 2020, o custo da aquisição foi de R$ 1.528.000. Nessa conta, estão o preço dos direitos relativos aos jogador, luvas e "assemelhados", conforme escrito no documento.