PUBLICIDADE
Topo

Blog do Perrone

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Agente cobra R$ 10,3 milhões do São Paulo na Justiça por Ganso e Pratto

O meia Paulo Henrique Ganso, ex-jogador do São Paulo - Lucas Merçon
O meia Paulo Henrique Ganso, ex-jogador do São Paulo Imagem: Lucas Merçon
Conteúdo exclusivo para assinantes
Perrone

Ricardo Perrone é formado em jornalismo pela PUC-SP, em 1991, cobriu como enviado quatro Copas do Mundo, entre 2006 e 2018. Iniciou a carreira nas redações dos jornais Gazeta de Pinheiros e A Gazeta Esportiva, além de atuar como repórter esportivo da Rádio ABC, de Santo André. De 1993 a 1997, foi repórter da Folha Ribeirão, de onde saiu para trabalhar na editoria de esporte do jornal Notícias Populares. Em 2000, transferiu-se para a Folha de S.Paulo. Foi repórter da editoria de esporte e editor da coluna Painel FC. Entre maio de 2009 e agosto de 2010 foi um dos editores da Revista Placar.

25/06/2021 04h00

Com Pedro Lopes, do UOL, em São Paulo
Por meio de sua empresa, o agente André Cury entrou na Justiça para cobrar R$ 10.387.831,24 do São Paulo referentes a operações ligadas a Paulo Henrique Ganso e Lucas Pratto.
O débito está registrado em confissão de dívida assinada por Leco, ex-presidente do clube, e Elias Barquete Albarello, ex-diretor executivo financeiro, em 17 de agosto de 2020.
O documento apresentado à Justiça mostra que o São Paulo havia dado para a Link Assessoria Esportiva e Propaganda, empresa de Cury, exclusividade na venda de Pratto.
Ainda segundo a confissão, a "carta de exclusividade de venda" foi assinada em 31 de janeiro de 2017. Ela assegurava para a Link comissão de 5% do valor a ser recebido pelo clube do Morumbi numa eventual venda do atacante. Isso se o negócio acontecesse até 29 de janeiro de 2021.
Em relação a Ganso, a confissão de dívida aponta que o São Paulo ficou de pagar 750 mil euros para a empresa de Cury intermediar as negociações com o Sevilla, que comprou o jogador.
Ficou acordado entre as partes que a dívida total, com a conversão da moeda, era, no ato da confissão, de R$ 7.438.750. O débito seria pago em seis parcelas mensais de R$ 1.239.791,65.
Os pagamentos deveriam ser feitos entre fevereiro e julho de 2021. Ou seja, depois de Leco deixar a presidência. Julio Casares, seu sucessor, assumiu o cargo em janeiro de 2021.
"O devedor confessa e assume integral responsabilidade pelo pagamento da dívida confessada, reconhecendo tratar-se o presente instrumento de título executivo extrajudicial, uma vez que firmado na presença de duas testemunhas", diz o documento assinado pelos ex-dirigentes.
"O devedor renuncia expressamente a qualquer contestação quanto ao valor e procedência desta dívida", diz outro trecho da confissão.
Na ação, a empresa de Cury alega que o São Paulo não pagou as parcelas vencidas até então (de fevereiro a maio). Pelo acordo feito no ano passado, a inadimplência de pelo menos duas prestações antecipa o vencimento das demais e permite aplicação de multa de 5%, além de atualização monetária e juros de 1% ao mês.
Nesta quinta (24), a Justiça determinou a citação do São Paulo para que pague a dívida. A Link pediu que a quitação seja feita em 15 dias. Os advogados são-paulinos podem apresentar embargos, opondo-se à execução.
O blog aguarda posicionamento do departamento de comunicação do São Paulo sobre o caso.
Essa não é a primeira ação de Cury contra a agremiação do Morumbi. Em outro processo, ele cobra R$ 19, 6 milhões.

Se inscreva no canal Ricardo Perrone no YouTube.

Blog do Perrone