Topo

Coluna

Oscar Roberto Godói


VAR ou Globo acertaram sobre o gol anulado do Inter contra Chape?

Rodrigo Lindoso disputa a bola na partida entre Chapecoense e Internacional pelo Brasileirão - Everton Pereira/Estadão Conteúdo
Rodrigo Lindoso disputa a bola na partida entre Chapecoense e Internacional pelo Brasileirão Imagem: Everton Pereira/Estadão Conteúdo
Oscar Roberto Godói

Jornalista e ex-árbitro, esteve sob a chancela da Fifa de 1993 a 2000.

23/09/2019 16h31

Quem acertou, o VAR ou a Globo no gol anulado do Internacional contra a Chapecoense? O gol marcado por Wellington Silva, que seria 1 a 0 para o Internacional, no primeiro tempo, foi anulado pelos árbitros do VAR por impedimento.

Utilizando um recurso tecnológico diferente ou frisando a imagem em um momento diferente, a Globo mostrou que o atacante do Internacional estava em condição legal e o gol deveria ter sido validado. Se a imagem é a mesma e da mesma câmera, como podemos ter duas interpretações distintas?

É de suma importância que o operador de imagens tenha conhecimento ou orientação de como funciona a regra do impedimento. Dependendo do momento em que a imagem foi congelada após tocar em Guerrero, o companheiro ficou ou não impedido. A vitória do Internacional por 1 a 0 acabou amenizando as discussões.

Como ninguém viu o pênalti que Kannemamm fez em Sasha, na derrota do Santos para o Grêmio por 3 a 0? O árbitro Paulo Roberto estava bem posicionado, e a falta aconteceu no campo de visão dele. E o pessoal do VAR estava assistindo o que?

Merecidamente, o técnico santista Sampaoli completou mais uma série de advertências pelo cartão amarelo e vai ficar suspenso no próximo jogo. Só ele. E os demais que enchem o saco da arbitragem e desrespeitam os adversários tanto quanto?

Se tem alguém que muda o comportamento quando está apitando jogo que tem VAR é o gaúcho Anderson Daronco. Precisou recorrer ao VAR para ver que o goleiro Santos, do Athletico, sofreu falta e, assim, anulou o gol do Vasco. Omissão, insegurança ou obediência?

Já era previsível a lambança que o árbitro paraense Dewson Freitas fez no jogo Corinthians 2 x Bahia 1. Desaprendeu a apitar depois que passou a integrar o quadro internacional da Fifa. Seria bom sabermos se ele é incompetente sozinho ou auxiliado pelos integrantes do VAR.

O atacante Elber sofreu pênalti cometido por Ralf, e nem olhando as imagens o árbitro conseguiu corrigir a decisão que beneficiou o Corinthians. Mas, a favor do Corinthians, ele teve coragem de marcar, amparado pelas orientações da Fifa.

Talvez, com a consciência pesada, voltou para o segundo tempo com muita disposição para compensar a favor do Bahia. E foi o que fez ao marcar, ou melhor, ao dar um pênalti para o Bahia em Gregory e Gilberto fez 1 a 1. A compensação veio, mas o Bahia poderia ter jogado algum tempo vencendo por 1 a 0 se a falta cometida pelo Ralf tivesse sido marcada.

Foi só a primeira rodada do returno do Brasileirão. Imagine o que teremos na sequência com alguns clubes sendo atrapalhados pelas arbitragens?
Que os incompetentes com apitos, bandeiras ou teclados, fiquem de fora dos sorteios.

Mais Oscar Roberto Godói