PUBLICIDADE
Topo

Ninho do Urubu: após Bandeira, MP poderá denunciar atuais dirigentes do Fla

Ex-presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello durante a CPI do Ninho  - Leo Burlá / UOL Esporte
Ex-presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello durante a CPI do Ninho Imagem: Leo Burlá / UOL Esporte
Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

29/06/2020 14h35

O texto publicado nesta segunda-feira no site do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) atualiza sobre o incêndio que matou dez garotos no Ninho do Urubu em 8 de fevereiro de 2019. Lá está o nome do ex-presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello entre os indiciados que responderão pelo crime de incêndio culposo. Além dele, outros ex-integrantes da diretoria do clube e também da atual gestão poderão ser denunciados.

À frente do caso, o Grupo de Atuação Especializada do Desporto e Defesa do Torcedor (GAEDEST/MPRJ), determina que os envolvidos sejam indiciados como incêndio culposo com resultado de morte. O blog apurou que Bandeira, como outros denunciados, responderá ao processo, a princípio, em liberdade. Mas considerando a pena máxima, em caso de condenação, poderá haver cumprimento em regime semi-aberto.

Considerando que o fato ocorreu na gestão atual, o MPRJ não descarta os atuais dirigentes como pessoas a serem denunciadas. O GAEDEST acrescenta na nota que houve negligência, segundo conclusões a partir das investigações, e a forma como o clube vem tratando o caso das indenizações é um dos fatores que impedem o acordo de não persecução.

Isso significa que, ante a maneira como lidam com as consequências da tragédia, não há chance de ajuste entre MP e investigados que resulte em arquivamento da investigação. Em suma, na avaliação do GAEDEST o cenário piora pela forma como a atual gestão do Flamengo lida com a questão das indenizações dos familiares das vítimas. Este é um dos fatores que impedem o acordo de não persecução.

A capitulação do crime é incêndio com resultado morte, mas não há por parte do GAEDEST indicação de que haverá pedido de prisão A denúncia já está minutada pelo MPRJ, que terá de esperar o prazo de cinco dias para eventual recurso das defesas ao Procurador Geral, ante a recusa de proposta de acordo de não persecução penal.

follow us on Twitter follow me on youtube follow me on facebook follow us on instagram follow me on google plus

Mauro Cezar Pereira