PUBLICIDADE
Topo

Gastador, na pandemia São Paulo quer cortar salários de atletas pela metade

Daniel Alves, jogador do São Paulo, em ação contra o coronavírus - Divulgação
Daniel Alves, jogador do São Paulo, em ação contra o coronavírus Imagem: Divulgação
Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

06/04/2020 04h00

O São Paulo tenta cortar os salários de seus jogadores. Suspensão de 50% do registrado em carteira (na CLT) de março, abril, maio e junho (se a crise persistir até lá) e congelamento dos direitos de imagem. Valores pendentes seriam pagos quando a crise passar. E parceladamente. Quem ganha menos de R$ 100 mil mensais receberia neste período R$ 50 mil, sem afetar os que embolsam abaixo desse valor. O elenco repele a ideia. E faz bem.

Na análise sobre os balanços de 2018 dos clubes feita pelo Itaú BBA, o São Paulo aparece como "o clube que mais sofreu com redução de Receitas de Publicidade". Em negociações de atletas, o Palmeiras naquele ano o ultrapassou como maior vendedor: R$ 170 milhões contra R$ 130 milhões.

No EBITDA (Lucros antes de Juros, Impostos, Depreciação e Amortização) o relatório destaca: "São Paulo e Santos apresentaram números bem inferiores a 2017, o que reflete a redução nas Receitas Recorrentes, uma vez que os Custos foram controlados (...)".

Adiante, o relatório especifica: "Mesmo com o cenário mais apertado o clube manteve sua política de altos investimentos. Foram R$ 97 milhões em 2018, sendo R$ 69 milhões em Elenco Profissional. Nos últimos 3 anos o clube investiu R$ 238 milhões em atletas profissionais, sem grandes sucessos esportivos.".

A conclusão dos profissionais do Itaú BBA: "O São Paulo repete os erros dos últimos muitos anos: dependência da venda de atletas para fechar suas contas e fazer investimentos elevados sem sucesso esportivo, além da incapacidade de fazer receitas além da TV (...). Além disso as receitas com o Morumbi também perdem relevância a cada ano, as dívidas não cedem, apenas trocam de nome".

E ao final, o documento da equipe coordenada por César Grafietti sentencia: "É uma sensação de que o clube vive numa realidade paralela, alheio ao que ocorre em seu entorno (...). O tempo vai passando, a história se repete e os adversários se fortalecem. Quando o tempo voltar a correr talvez seja tarde. Índice de Eficiência Após 2 anos com resultado zero(...)".

Os dirigentes investiram em Jean, Tréllez, Carneiro, Diego Souza, Nenê, Everton e outros atletas, alguns bem caros, sem retorno técnico ou marcado por histórico de contusões e que voltou a se lesionar. Equilibrar receitas e despesas nunca pareceu ser prioritário na gestão do futebol, tanto que foi dado o tiro mais forte, em 2019, com a chegada de Daniel Alves.

Agora, em meio à pandemia de coronavírus, surge uma repentina e nova preocupação. Difícil os jogadores aceitarem, ainda mais quando o patrão deve o passado e quer reduzir o que teria de pagar no futuro.

Mauro Cezar Pereira