PUBLICIDADE
Topo

Marcel Rizzo

Veja os técnicos de times do Brasil com licença de trabalho na Libertadores

Marcel Rizzo

Marcel Rizzo - Formado em jornalismo em 2000 pela PUC Campinas, passou pelas redações do Lance!, Globoesporte.com, Jornal da Tarde, Portal iG e Folha de S. Paulo, no qual editou a coluna Painel FC. Cobriu Copas do Mundo, Olimpíada e dezenas de outros eventos esportivos.

Colunista do UOL

01/04/2020 12h05

São 18 os treinadores registrados pela CBF que aparecem em documento da Conmebol (Confederação Sul-americana de Futebol) com a licença que permite ficar no banco de reservas em jogos da Libertadores. É um número bem inferior do que os inscritos por Argentina e Venezuela, por exemplo.

Pelo regulamento da competição, que está paralisada por tempo indeterminado por causa da pandemia do novo coronavírus, é preciso ter a licença da Conmebol para trabalhar no torneio. Inicialmente se exigia o certificado PRO, mas acordo entre as confederações liberou também aqueles que possuem o certificado A.

Todos os treinadores dos times brasileiros que disputam a Libertadores aparecem na lista, inclusive os portugueses Jorge Jesus (Flamengo) e Jesualdo Ferreira (Santos). Os dois têm o certificado PRO, junto com Vanderlei Luxemburgo (Palmeiras), Dorival Júnior (Athletico), Renato Gaúcho (Grêmio) e Eduardo Coudet (Inter) — o argentino é registrado por meio da AFA (Associação de Futebol da Argentina), portanto não entra na conta dos 18. Fernando Diniz, do São Paulo, tem o certificado da categoria A.

Em acordo com as confederações, aquelas que possuem cursos próprios, como a CBF, podem emitir o certificado e ele será válido também para a Conmebol após envio da comprovação de hora aula. O Brasil tem mandado apenas os dados daqueles que precisam trabalhar nessas competições, por isso que o número de técnicos registrados via CBF é tão baixo comparado com outros países.

Outras associações, como a argentina, a venezuelana e a uruguaia colocam seus profissionais para fazer as aulas e provas diretamente na Conmebol, por isso têm maior número de treinadores com licenças na confederação sul-americana. A AFA tem 103, a Venezuela 131 e o Uruguai 36. Colômbia e Chile, ambos com 29, também têm mais treinadores com licença da Conmebol do que o Brasil (18). A Bolívia vem na sequência, com 17, depois Equador, com nove, e Peru e Paraguai, com sete cada.

Para a Copa Sul-Americana, a Conmebol também exige o certificado. Dois times brasileiros continuam na competição, que também está paralisada sem data para voltar. Roger Machado, do Bahia, já consta na lista, mas o auxiliar Ramon Menezes, efetivado pelo Vasco, precisa ser incluído. Abel Braga, demitido do time do Rio em março, estava com a licença registrada.

TÉCNICOS COM LICENÇA NA CONMEBOL VIA CBF
Tite (seleção brasileira)
Abel Braga (sem clube)
Adilson Batista (sem clube)
Carlos Alberto Parreira (técnico aposentado)
Fábio Carille (Al-Ittihad, Arábia Saudita)
Jorge Jesus (Flamengo)
Jesualdo Ferreira (Santos)
Felipão (sem clube)
Ney Franco (Goiás)
Vanderlei Luxemburgo (Palmeiras)
Zé Ricardo (sem clube)
Mano Menezes (sem clube)
Tiago Nunes (Corinthians)
Roger Machado (Bahia)
Vagner Mancini (sem clube)
Dorival Júnior (Athletico)
Renato Gaúcho (Grêmio)
Fernando Diniz (São Paulo)

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.