PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Com 7 times vivos, Brasil e Argentina nunca dominaram tanto a Libertadores

AFP PHOTO / JUAN MABROMATA
Imagem: AFP PHOTO / JUAN MABROMATA

Arthur Sandes

Do UOL, em São Paulo

18/09/2018 04h00

As quartas de final da Copa Libertadores da América começam nesta terça-feira (18) em uma disputa quase que polarizada: apenas três países ainda têm representantes no torneio. A sensação de eterno ‘Brasil x Argentina’ no mata-mata continental é fruto de um processo que se arrasta há anos, mas só deu as caras a partir de 2017.

Dos oito desafiantes da Libertadores, quatro são argentinos, três são brasileiros e somente um é chileno. Tal arranjo de forças é inédito na história da competição: nunca dois países polarizaram o principal torneio sul-americano, o que pode explicar muito sobre os rumos da própria Libertadores.

Criada para reunir as principais forças de cada país, a Libertadores aos poucos se transformou no quintal de brasileiros e argentinos. Tal domínio é historicamente demonstrado pela quantidade de títulos: 42 dos 58 troféus disputados até aqui (72%) acabaram nas mãos de equipes de um dos dois países. Desde o ano passado, no entanto, a demonstração de força de Brasil e Argentina tem sido muito mais sólida.

Em 2017 só houve dois intrusos na ‘festinha particular’ de argentinos e brasileiros nas quartas da Libertadores (um boliviano e um equatoriano), o que quebrou uma sequência de mais de uma década de mata-mata diversificado. Situação parecida só havia acontecido em 2005, quando o México fez papel de ‘terceira força’ com duas equipes entre as oito finalistas. Na atual temporada, a soberania avançou uma casa, e o Colo-Colo (CHI) foi o único penetra a se esgueirar até as quartas de final.

Entre os vários fatores que colaboram para o novo cenário, a ausência de times mexicanos parece ser o mais determinante. Após oficializar a saída do país, a Conmebol aumentou as vagas dos favoritos Argentina e Brasil (seis e sete postos, respectivamente), o que de certa forma facilitou a chegada destes times todos às fases finais. O abismo financeiro também contribui muito, visto que somente o próprio México era capaz de rivalizar em termos de investimento.

O levantamento feito pelo UOL Esporte inclui as últimas 19 edições, pois antes disso, até 1999, o chaveamento das fases agudas da Libertadores era diretamente influenciado pelo sorteio direcionado na fase de grupos — cada grupo tinha obrigatoriamente dois times de cada país, portanto com distribuição totalmente diferente da atual.

Nesta terça-feira (18), o Grêmio visita o Atlético Tucumán (ARG) a partir das 21h45 (de Brasília). Na quarta é a vez de Independiente x River Plate e Boca Juniors x Cruzeiro, enquanto Colo-Colo e Palmeiras duelam no dia seguinte. Os jogos de volta das quartas de final da Libertadores acontecem entre 2 e 4 de outubro.

Futebol