PUBLICIDADE
Topo

Espanhol - 2019

Gramado esburacado em jogo do Barça inflama debate sobre partidas nos EUA

SERGIO PEREZ/REUTERS
Imagem: SERGIO PEREZ/REUTERS

Do UOL, em São Paulo

26/08/2018 04h00

A cada passo e chute dos jogadores, o campo do Estádio José Zorrilla levantou mais que pedaços de grama. O que se viu na vitória do Barcelona sobre o Valladolid neste sábado acabou inflamando um debate sobre a política do Campeonato Espanhol.

Na semana passada, dirigentes que organizam a liga local anunciaram o plano de realizar alguns jogos da temporada nos Estados Unidos. A ideia é ampliar as possibilidades de faturamento com direitos de transmissão e até patrocínios internacionais.

Os jogadores já haviam se mostrado insatisfeitos antes, mas o estado do gramado do José Zorrilla levantou outra questão, verbalizada por Piqué: "Se querem vender o produto para fora, primeiro precisam olhar para dentro de casa".

Apesar da vitória do Barça por 1 a 0, que só não se tornou tropeço nos minutos finais graças ao árbitro de vídeo, que anulou um gol do Valladolid, as reações da equipe catalã após a partida foram pautadas por insatisfação.

"O jogo foi travado por causa do gramado. Querem levar os jogadores aos Estados Unidos, mas é uma vergonha o que aconteceu aqui. O estado do gramado é deplorável. E não só por causa do jogo, mas também há risco de lesão. É vergonhoso", lamentou Piqué.

gramado 1 - SERGIO PEREZ/REUTERS - SERGIO PEREZ/REUTERS
Imagem: SERGIO PEREZ/REUTERS

O presidente da associação de atletas é contra levar jogos aos EUA. "Estão levando o futebol a um caminho que não é melhor para jogadores ou torcedores. Só a Liga tira proveito", reclamou David Aganzo ao El Pais.

Ele deixa claro que o problema não está especificamente nos Estados Unidos, e sim na proposta de realizar jogos do Espanhol longe do território espanhol. "Tanto faz entre EUA, China ou Japão. Somos contra que se tire a competição da Espanha", completou.

Embora Aganzo diga que os atletas não foram consultados pela Liga sobre as mudanças, eles fazem questão de opinar mesmo assim e não pegam leve com os dirigentes. "Nenhum representante da Liga se dignou a vir até aqui para ver este gramado", criticou Busquets.

"Deveriam olhar menos para os Estados Unidos e passar mais tempo conferindo se os gramados do melhor campeonato do mundo estão bem... Era um campo lamentável, sorte que ninguém se lesionou seriamente", disse Jordi Alba.

gramado 2 - Andrea Comas/AP - Andrea Comas/AP
Imagem: Andrea Comas/AP

Javier Tebas, presidente da Liga, foi amplamente criticado ao se pronunciar sobre o gramado. "O campo não reunia as condições mínimas exigidas para uma competição como a Liga. Vamos apurar as responsabilidades", publicou no Twitter.

As redes sociais costumam ser um termômetro de insatisfação. "Os que querem levar jogos aos EUA são os mesmos que permitem um gramado como esse, uma ameaça de lesões", escreveu um usuário do Twitter, em espanhol.

Leia alguns comentários em espanhol (com tradução para o português):

"Boa noite, Javier Tebas [presidente da Liga]. Antes de levar jogos aos EUA, você deveria cuidar das partidas que se disputa em território nacional. Autêntica VERGONHA de GRAMADO"

"Se é para jogar nesse gramado, deveriam aproveitar essa rodada para levar a Liga aos EUA"

"Bom, você [Javier Tebas] também não reúne condições para ser presidente, mas nós, torcedores, estamos aqui aguentando todos os horários de m... que você põe nos jogos"

"Pare de tentar levar a Liga aos EUA. Nós não estamos interessados, palhaço"

"A melhor liga do mundo. Que deixem de falar de Estados Unidos e comecem a pensar nestas coisas. O risco de uma lesão grave faz isso ser inaceitável"

"Se você [Tebas] tanto se preocupa com a liga, em vez de mandar partidas para os EUA, tenha certeza de que não sejam jogadas partidas em plantações de batatas como em Valladolid. É uma p... vergonha. Isso não é ser a melhor liga do mundo"