PUBLICIDADE
Topo

Pole Position

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Mudanças do calendário da F1 visam manter 'gordurinha' para o fim do ano

GP da França, que foi cancelado em 2020, mudou de data - Dan Istitene/Getty Images
GP da França, que foi cancelado em 2020, mudou de data Imagem: Dan Istitene/Getty Images
Julianne Cerasoli

Fã de Fórmula 1 desde a infância, Julianne Cerasoli nasceu em Bragança Paulista (SP) e hoje vive em Londres (Inglaterra). Atua como jornalista desde 2004, tendo trabalhado com diversos tipos de mídia ao longo dos anos, sempre como repórter esportiva e com passagem como editora de esportes do jornal Correio Popular, em Campinas (SP). Cobrindo corridas in loco na Fórmula 1 desde 2011, começou pelo site especializado TotalRace e passou a colaborar para o UOL Esporte em 2015, e para sites e revistas internacionais. No rádio, é a repórter de Fórmula 1 da Sistema Bandeirantes de Rádio desde 2017, e também faz participações regulares no canal Boteco F1, o maior dedicado à categoria no YouTube. Em 2019, Julianne criou o projeto No Paddock da F1 com a Ju, na plataforma Catarse, em que busca aproximar os fãs da Fórmula 1 por meio de conteúdo on demand e podcast exclusivo com personagens da categoria. Neste espaço: Única cobertura in loco de toda a temporada da Fórmula 1 na mídia brasileira, com informações de bastidores, entrevistas exclusivas, análises técnicas e uma pitada de viagens.

Colunista do UOL

14/05/2021 10h36

A Fórmula 1 confirmou uma série de mudanças no calendário das próximas provas, começando com o adiamento do GP da Turquia, que estava marcado para dia 13 de junho. Como o país entrou na lista vermelha do Reino Unido por conta do aumento de casos de covid-19, isso inviabilizou a prova e gerou um efeito cascata: o GP da França foi adiantado em uma semana, e agora vai acontecer dia 20 de junho, e serão realizados dois GPs na Áustria, nos dois finais de semana seguintes.

Toda essa manobra tem um objetivo claro: manter a expectativa de um calendário de 23 corridas no ano. Isso porque as provas são uma grande fonte de renda para a categoria, além de haver obrigações comerciais com os detentores dos direitos de TV. E a avaliação da Fórmula 1 é de que todos os esforços para não perder datas neste momento do campeonato é importante, já que há várias provas da segunda metade do calendário cuja realização não está 100% confirmada.

Estas provas são as que acontecem fora do continente europeu ou do Oriente Médio e que, por conta disso, representam um gasto muito mais significativo para a F1. Para estes eventos - Japão, Singapura, Austrália, EUA, México e Brasil - é mais importante que haja a presença de público para que os promotores possam pagar as taxas acordadas com a categoria. No momento, a prova norte-americana é vista como praticamente certa, devido à situação da pandemia e da vacinação no país e existe a possibilidade, inclusive, de o país receber mais de uma prova. Há dúvidas, porém, em relação a todas as demais provas, que já tiveram de ser canceladas ano passado.

Neste contexto, a Turquia aparece como uma substituta ainda provável, e por isso o GP foi adiado e não cancelado. O GP turco já tinha entrado no calendário como reserva, depois do cancelamento do GP do Canadá, que tinha, originalmente, a data de 13 de junho. A ideia inicial da F1 era substituir a etapa canadense por alguma prova na Europa, possivelmente na Alemanha, mas a preferência foi dada à Turquia pela facilidade de deslocamento a partir da etapa anterior, no Azerbaijão, que segue confirmada.

A situação da etapa turca se complicou depois que o país foi adicionado à lista vermelha do Reino Unido, que é a base de sete das 10 equipes do grid. Isso significa que as viagens ao país devem ser evitadas ao máximo e, na volta, quem tiver estado por lá é obrigado a ficar em quarentena em um hotel designado pelo governo por 10 dias. No momento, o Brasil também está na lista vermelha do Reino Unido e, assim como no caso da Turquia, a expectativa da F1 é de que essa situação mude nos próximos meses. Ou seja, nada impede que a Turquia seja usada novamente como substituta de alguma prova na segunda metade do ano. Outra pista que pode ser utilizada caso alguma outra prova seja cancelada é a do Bahrein, que já abrigou a etapa de abertura, em março.

Primeira rodada tripla

Com essas mudanças, o campeonato terá sua primeira rodada tripla antes do esperado: o GP da França, dia 20 de junho, será seguido por duas corridas na Áustria, nos dias 27 de junho e 4 de julho (que era a data original do GP austríaco). Ano passado, a temporada acabou começando justamente com duas corridas no Red Bull Ring que, apesar de serem disputadas com a mesma configuração de circuito, acabaram sendo diferentes pela chuva que caiu na classificação.

Em relação à presença de público, os promotores do GP da França informaram que a venda de ingressos continua, mas sempre com a ressalva de que a decisão final vai depender das determinações do governo em uma data mais próxima à corrida.

A próxima etapa da F1 será dia 23 de maio, em Mônaco, com a presença de 7.500 pessoas nas arquibancadas, ou seja, com a capacidade bastante reduzida. Será a primeira vez desde o início da pandemia que a categoria vai correr em um circuito de rua.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL