PUBLICIDADE
Topo

Marília Ruiz

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Chegou a semana dos feministas de ocasião

Marília Ruiz

Tenho 20 anos de jornalismo esportivo: 5 Copas do Mundo, 4 Olimpíadas, muitos Brasileiros, alguns Mundiais e várias Copinhas. Neste blog seguirei fazendo isso: escrevendo sobre futebol. Sem frescura. Sem mimimi. Para versões oficiais dos clubes e atletas, recomendo procurar as assessorias de imprensa.

01/03/2022 18h28

Estamos a uma semana do Dia Internacional da Mulher, e a internet vai ser inundada por "homenagens" e #hashtags hipócritas e de ocasião.

Não seja um desses idiotas que compartilha conteúdo para ficar com a imagem de moderninho engajado.

Lamento dizer que a imprensa esportiva é especialista nisso: notem que nos próximos dias, tenho certeza, leremos homenagens e elogios efusivos de homens machistas que dominam as redações. Sou testemunha que muitos fazem esforço para se desconstruir - mas esse é ainda um movimento lento e sujeito a tropeços vários. E eu reconheço que sou privilegiada: em 22 anos de profissão, orgulho-me de ter rebatido boa parte da artilharia dos idiotas de plantão.

Não queremos um milagre de presente no dia 8 de março. Queremos ações.

Que tal fazer algo? Que tal escolher um só machismo rotineiro da sua vida para sempre?

Pode ser largar a tontice de dizer que mulher precisa lavar louça em vez de dirigir, falar de futebol ou fazer qualquer outra coisa que você notou que ela faz melhor que você - e lhe deixou irritadinho.

Pode ser esquecer o absurdo de culpar a vítima pelo estupro, pela violência, pelos erros masculinos.

Poder ser refutar a bizarrice de pagar salários diferentes para pessoas de sexos diferentes que cumprem a mesma função na sua empresa.

Pode ser nunca mais usar o lamentável uso do "não é coisa de menina" quando sua filha, sobrinha, esposa, irmã ou amiga do seu filho manifestar o mesmo interesse que um menino por um assunto que você achou que era só de vocês homens.

Pode ser não julgar a liberdade das mulheres que escolheram não ser mães.

Pode ser não ser sommelier do guarda-roupa alheio.

Pode ser deixar de ser burro e entender que feminismo não é o oposto de machismo. Feminismo busca igualdade. Machismo implica em supremacia de gênero (de nada pela verdade nua e crua).

Pode ser?

Por favor, parem por dois minutos e entendam que o Dia Internacional da Mulher celebra a resiliência, a coragem, a força e a determinação de quem não aceitou e não aceita nenhuma das injustiças acima listadas.

Dia Internacional da Mulher não é o dia das mães (da sua mãe), não é o dia dos namorados (da sua namorada) nem é o dia das crianças (da sua filha ou neta).

Sempre mais fácil defender os direitos das "nossas".

Façam um esforço para entender que o Dia Internacional Da Mulher serve para você melhorar em relação às mulheres que você critica, às mulheres que lhe causam algum incômodo, às mulheres que você precisa respeitar também.

2022 e contando...