PUBLICIDADE
Topo

Marília Ruiz

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

O recado da CBF aos descontentes: não se metam nos meus negócios

Lisca questiona tabela da Copa do Brasil e critica CBF por jogos na pandemia: "É hora de segurar a vida" - Reprodução/ Premiere
Lisca questiona tabela da Copa do Brasil e critica CBF por jogos na pandemia: "É hora de segurar a vida" Imagem: Reprodução/ Premiere
Marília Ruiz

Tenho 20 anos de jornalismo esportivo: 5 Copas do Mundo, 4 Olimpíadas, muitos Brasileiros, alguns Mundiais e várias Copinhas. Neste blog seguirei fazendo isso: escrevendo sobre futebol. Sem frescura. Sem mimimi. Para versões oficiais dos clubes e atletas, recomendo procurar as assessorias de imprensa.

06/03/2021 16h46

Neste eterno Fla x Flu em que estamos vivendo e dividindo todos os assuntos da nossa vida, optamos nesta semana para dar espaço para disputa entre Time Lisca, que defendeu a paralisação PARCIAL do futebol no país, e o Time Renato Gaúcho, que (grosseiramente falando) defendeu que o futebol pode continuar porque os protocolos são bons.

Bem, há nos argumentos para que a gente torça pelos dois. Não é impossível querer que o futebol continue com algumas concessões. Concessões que todas os setores da economia precisaram fazer para continuar funcionando desde que o coronavírus mudou a vida como ela era.

Mas aqui no Brasil o futebol tem dono. E um dono pouco flexível para dizer o mínimo.

Enquanto vocês da imprensa, do Twitter e do IG se digladiam como se necessário fosse estar sempre em algum extremo da questão, a frase da semana, senhores, foi a resposta dada pelo presidente da CBF, Rogério Caboclo, ao pleito de Lisca.

"Entendemos que qualquer pleito ele deva submeter ao presidente do seu clube", afirmou Caboclo ao Blog Rodrigo Mattos.

E o chefe, o presidente do América-MG, não se meteu a reclamar do calendário, da tabela, do sorteio da Copa do Brasil.

Entendam bem o recado de Caboclo para Lisca (bem parecido como o recado atravessado dado ao palmeirense Albel Ferreira há uma semana: não se meta com assunto dos chefes).

Simples, duro, direto. É a fotografia do futebol brasileiro controlado numa lógica de suserania e vassalagem onde os bobos da corte não têm vez.

Aliás, os bobos podem continuar se dividindo de forma tola e inútil entre o Lisca e o Renato.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL