Julio Gomes

Julio Gomes

Siga nas redes
Só para assinantesAssine UOL
OpiniãoEsporte

Jogo do título do Palmeiras foi o empate de Fortaleza

Para a história, está e ficará o Botafogo 3 x 4 Palmeiras. Mas o verdadeiro jogo do título do Palmeiras foi o do Castelão, pela 35a rodada do Brasileirão. Aquele empate contra o Fortaleza, jogando com um a menos, foi o jogo "macho" do Palmeiras no campeonato, usando um jargão antigo e nem tão politicamente correto, mas para o qual ainda não foi encontrado um substituto melhor. Daquela rodada, quem saísse líder muito provavelmente seria campeão. E foi o Palmeiras quem saiu líder por causa do pontinho improvável que conquistou. Sacramentando o título nesta quarta, no Mineirão, apenas 10 dias depois.

O jogo do Engenhão, em que o Botafogo vencia por 3 a 0 e depois teve um pênalti para fazer 4 a 1 aos 40min do segundo tempo, foi o início concreto da tragédia botafoguense. Nunca um clube de futebol fez com o seu torcedor o que o Botafogo fez. No mundo, na história. Aquele jogo, sem dúvida, é o jogo que determina a perda do título (do Botafogo), mas não necessariamente a conquista do Palmeiras.

Depois daquele jogo, o Botafogo perdeu do Vasco e levou outra virada épica (contra o Grêmio), que aconteceu no dia seguinte de um Flamengo 3 x 0 Palmeiras. Neste momento, exatamente quatro semanas atrás, o campeonato ficou aberto para todo mundo. Não só para o Palmeiras, mas para Grêmio, Flamengo e até mesmo o Atlético-MG.

A partir daí, cada um teve seu tropeço, menos o Palmeiras. A única janela que ficou aberta para um passo em falso palmeirense veio naquele dia 26 de novembro, no Castelão, contra um Fortaleza que tinha ficado ameaçado pelo rebaixamento e acordava, de novo, para o Brasileirão. O Fortaleza foi bem melhor do que o Palmeiras e o resultado natural da partida seria de vitória do Leão.

Mas o Palmeiras simplesmente se recusou a perder aquela partida, apesar da expulsão estúpida de Gustavo Gómez quando o time já estava abaixo no placar. Mesmo com um a menos, buscou o empate com Veiga, levou um gol e foi buscar outro empate com Zé Rafael. Dali, pintou o campeão. Faltariam três jogos apenas, nenhum deles muito desafiador. E o Palmeiras fez valer nas rodadas finais o fato de ser o clube mais estável do Brasil, com o mesmo técnico, com um grupo de jogadores que não faz partidas ridículas, que sempre compete.

Mesmo abandonando o Brasileiro no meio, o Palmeiras teve tempo de ser campeão. É o justo vencedor. Claro que, nos pontos corridos, o título é sempre uma construção. Além do já citado jogo contra o Botafogo, a goleada sobre o São Paulo foi crucial para a retomada. O jogo do título, no entanto, foi mesmo o de Fortaleza.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes