PUBLICIDADE
Topo

Julio Gomes

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Gomes: Portugal e Itália fizeram por merecer o triste desfecho. Uma sobrará

Cristiano Ronaldo reclama durante jogo de Portugal nas Eliminatórias da Copa - REUTERS
Cristiano Ronaldo reclama durante jogo de Portugal nas Eliminatórias da Copa Imagem: REUTERS
Conteúdo exclusivo para assinantes
Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

26/11/2021 13h49

O sorteio da Uefa definiu aquilo que ninguém queria: Portugal e Itália estão na mesma chave da repescagem das eliminatórias da Copa do Mundo. Só há uma vaga. Ou seja, uma provavelmente vá para a Copa do Catar. A outra ficará pelo caminho.

Ou Cristiano Ronaldo não terá a chance de se despedir de um Mundial, justamente quando tem ao lado uma geração brilhante de jogadores. Ou a campeã da Europa não irá ao Mundial, o que aconteceu três vezes na história - com a antiga Tchecoslováquia, campeã em 76 e que não jogou o Mundial de 78, com a Dinamarca (vencedora da Euro-92, fora da Copa-94) e com a Grécia (campeã em 2004, fora de 2006).

As duas fizeram por merecer, convenhamos. Portugal tinha a classificação garantida, empatava em casa com a Sérvia, resolveu sentar em cima do resultado e levou um gol no último minuto. A Itália, por sua vez, desperdiçou um pênalti contra a Suíça que garantiria a vaga - também no último minuto. E depois foi incapaz de ganhar da Irlanda do Norte.

Importante lembrar que a Itália já não se classificou para a última Copa do Mundo, a da Rússia.

Aqui se faz, aqui se paga, diz o ditado. A Itália ainda pode colocar a culpa nos tantos desfalques que teve na reta final das eliminatórias. Mas Portugal, nem isso. Resolveu eternizar um técnico fraco só porque ele venceu a Euro de 2016 e é querido por Cristiano. Não consegue potencializar uma seleção cheia de talentos mundiais.

Quem vai pagar o pato?

Antes de se enfrentarem, ainda haverá um jogo a vencer. A Itália jogará em casa contra a minúscula Macedônia do Norte. Portugal terá um jogo mais difícil, mas também em casa, contra a Turquia. Os vencedores jogarão a "final" ou em Portugal ou na Turquia - ou seja, a Itália terá de decidir a vaga longe de sua torcida. Tudo isso é definido em partidas únicas, em março do ano que vem. Em caso de empate, pênaltis.

Os outros caminhos são logicamente menos fortes.

Em um caminho que o sorteio indicou, os jogos são Escócia x Ucrânia e País de Gales x Áustria. A decisão da vaga será jogada ou na Escócia ou na Ucrânia entre os vencedores. E o outro caminho terá Rússia x Polônia e Suécia x República Tcheca, com o vencedor do jogo entre russos e poloneses decidindo em casa a vaga para a Copa.

Ou seja, Escócia, Rússia e Portugal são os três países com a vantagem de jogar em casa as duas partidas da repescagem, o que não necessariamente faz delas as favoritas para as vagas. Até porque nem saberemos, até lá, se estádios estarão abertos ou fechados ao público.

Não tenho pena de nenhuma das duas seleções pelo que o destino ofereceu a ambas. Mas fico triste pela Copa. É uma favorita a menos, caindo antes mesmo de entrar em campo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL