PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Julio Gomes


Marí era importante para o Flamengo, substituição não é automática

Pablo Marí veste a camisa do Arsenal depois de idas e vindas em negociação - Stuart MacFarlane/Arsenal FC via Getty Images
Pablo Marí veste a camisa do Arsenal depois de idas e vindas em negociação Imagem: Stuart MacFarlane/Arsenal FC via Getty Images
Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

29/01/2020 15h41

O Flamengo vai fazer um negocião com Pablo Marí. Um bom empréstimo ao Arsenal, com um ótimo valor de venda para um zagueiro. Mas, ainda que tenham chegado Gustavo Henrique e Léo Pereira, a perda do espanhol não pode ser desprezada.

Como no Brasil a análise é primordialmente individual, alguém vai se lembrar de uma falha ou outra e dizer que Marí era fraco. Aliás, nessa toada, tem muito zagueiro que, por meter alguns gols de cabeça, camufla o monte de falhas no seu trabalho primário: defender. São elogiados, quando deveriam ser criticados.

Marí não é um primor individualmente. Mas ele foi essencial para Jorge Jesus taticamente.

O técnico português chegou com uma proposta de defesa alta e campo encurtado. O que é o be-a-bá faz tempo na Europa, mas é raro por aqui. A maioria dos treinadores ainda preferem ter um zagueiro "na sobra", essa coisa medieval.

Como Marí já estava mais do que habituado a isso, facilitou demais o trabalho do português. É claro que ele tinha, ao lado, laterais também habituados a isso, um goleiro habituado a isso e o fato de Rodrigo Caio ter um alto QI futebolístico ajudou para que o outro zagueiro do time se adaptasse.

Defesa sólida é muito mais sistema do que indíviduos.

Gustavo Henrique e Léo Pereira saberão jogar assim? Saberão fazer o que Marí fazia taticamente, em termos de posicionamento?

Acredito até que sim, mas só o tempo e a prática nos dirão. A venda de Pablo Marí foi bem feita. Mas, para o time, ele era mais importante do que parecia.

Julio Gomes