PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Julio Gomes


As vaias a Arboleda e a intolerância que estraga o futebol

Zagueiro Arboleda do São Paulo  - Reprodução
Zagueiro Arboleda do São Paulo Imagem: Reprodução
Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

23/01/2020 00h20

Arboleda joga pelo São Paulo. Joga bem. Recebe do São Paulo. Pode ser um dia vendido pelo São Paulo. É um bem do clube. É profissional.

Desrespeitou a instituição?

Para muitos, sim. Para alguns, inclusive, de forma imperdoável. Tipo crime hediondo, pena inafiançável.

Acabou xingado por parte da torcida são-paulina no Morumbi - a organizada. Como resposta, outros setores do estádio gritaram seu nome. São sábios.

Arboleda não limpou o sapato com a camisa do São Paulo. Não beijou a do Palmeiras nem fez juras de amor. Nem é reincidente. O cara deu uma viajada, não mediu as consequências, muitas vezes jogadores estão desconectados mesmo destes exageros de torcedores. Vestiu uma camisa rival a léguas de distância. Explicou, se desculpou. Gente... e daí??

No fim das contas, é esse exagero que faz as pessoas se matarem dentro e fora de estádios.

Porque se o manto é tão sagrado assim, a ponto de o cidadão ter de ser demitido por ter usado o outro.... por que criticar quem considera o manto tão sagrado assim a ponto de bater no que veste um diferente?

Futebol não pode ser religião. Um olhar frio para a história do mundo (o presente, até) revelará a verdade incômoda: a grande função histórica de qualquer religião foi ser justificativa para guerras, agressões, opressões, violações, invasões.

O fanatismo só traz desgraça. Quem encara futebol como religião acaba caindo nisso aí: guerra, agressão, violação.

Eu respeito o fanático. Assim como respeito quem vive de e para sua religião. Apenas não concordo.

Arboleda é um profissional. Errou, porque recebe direito de imagem e não poderia, profissionalmente falando, fazer o que fez. O clube puniu, cobrou multa. Acabou! Xingar? Perseguir? Com qual intuito? Qual o ponto?

Intolerância. Essa é a palavrinha.

É preciso levar o futebol um pouco menos a sério. Mais tolerância, por favor.

Julio Gomes