PUBLICIDADE
Topo

Diego Garcia

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Venda de Rodrygo ao Real Madrid faz Santos ser condenado em R$ 1,4 milhão

Rodrygo em ação pelo Real Madrid - JuanJo Martín/EFE
Rodrygo em ação pelo Real Madrid Imagem: JuanJo Martín/EFE
Diego Garcia

Repórter desde 2010, passou por Folha de S. Paulo, ESPN, Terra e Placar. Ganhou dois prêmios Aceesp (2014 e 2016) e foi indicado aos prêmios Comunique-se (2019), República (2017, 2018 e 2021), Folha (2018 e 2019) e Fenacor (2020). Cobriu Copa do Mundo, Olimpíadas, Mundial de Clubes e outros grandes eventos. Contato: garciadiegosilva@gmail.com

Colunista do UOL

29/07/2021 14h00

O Santos foi condenado a pagar R$ 1,4 milhão pela venda de Rodrygo ao Real Madrid, em 2019. O valor será direcionado à Federação das Associações de Atletas Profissionais (Faap), que tinha direito a um percentual de 0,8% da transferência.

O processo foi aberto em janeiro e também previa R$ 41 mil pela venda de Serginho ao Kashima Antlers, em 2018, e R$ 80 mil por Felipe Aguilar ao Athletico-PR, em 2020. A federação utilizou os valores das transferências presentes no balanço financeiro do Santos para chegar aos valores cobrados.

Assim, a venda de Rodrygo ficou em R$ 172,5 milhões, enquanto Serginho custou R$ 5,2 milhões e Felipe Aguilar outros R$ 10 milhões. O sindicato cobra 0,8% do valor recebido por cada transferência, pagamento previsto por lei.

Na Justiça, o clube entrou com embargos de declaração após a sentença contrária, mas viu a juíza negar provimento. Na semana passada, a Faap entrou com petição pedindo o trânsito em julgado da decisão, após o Santos não se manifestar mais, na ação, o que foi acatado pelo tribunal.

Procurado para comentar o processo, o Santos disse que ainda conversa com a Faap.

Nos últimos meses, a Faap tem disparado dezenas de ações, especialmente depois de uma mudança na lei. Desde janeiro, a obrigatoriedade do pagamento não existe mais, o que levou a federação a acelerar processos para receber por transferências feitas até dezembro do ano passado.

A Faap é uma espécie de sindicato de atletas que, como entidade de assistência social aos jogadores, tinha por lei direito a percentuais de salários e transferências. Porém, a cobrança foi derrubada por uma lei que entrou em vigor no começo deste ano.

A partir daí, a entidade foi à Justiça cobrar os valores dos clubes brasileiros referentes a transferências que aconteceram antes desse período. Em junho, a coluna revelou que a Faap abriu processos contra São Paulo, Santos, Palmeiras e Corinthians na Justiça paulista.