PUBLICIDADE
Topo

Danilo Lavieri

Garotos fazem jogo apagado, e Palmeiras não mostra principal marca de Abel

Weverton em ação durante Libertad x Palmeiras, nas quartas de final da Copa Libertadores 2020 - Nathalia Aguilar - Pool/Getty Images
Weverton em ação durante Libertad x Palmeiras, nas quartas de final da Copa Libertadores 2020 Imagem: Nathalia Aguilar - Pool/Getty Images
Danilo Lavieri

Danilo Lavieri começou a carreira em 2008 e trabalha com futebol desde 2010. Já cobriu Copa, Olimpíada, escreveu a biografia do goleiro Marcos (Nunca Fui Santo) e ganhou prêmio de furo do ano da Aceesp em 2019.

Colunista do UOL

08/12/2020 23h27

O Palmeiras deu susto no seu torcedor nesta terça-feira (8) na abertura das quartas de final da Libertadores. Diante do Libertad, o Alviverde precisa voltar para o Brasil agradecendo pelo empate em 1 a 1, que não chega a ser um mau resultado em um mata-mata e que poderia ser pior com a bola na trave no último lance. A questão é que ninguém esperava tantas dificuldades diante do pior entre os que avançaram da fase de grupo, muito menos que os paraguaios tivessem chance de vencer a partida de ida.

E isso aconteceu porque o time não mostrou a intensidade que virou marca dos tempos de Abel Ferreira e voltou a cometer alguns erros técnicos em jogadas simples, com atuações individuais bem abaixo da média.

Os que mais sentiram o peso do jogo foram os garotos. Danilo pareceu afobado na marcação e sem confiança na hora de armar o jogo. Gabriel Menino e Veron também ficaram longe de desempenhar o bom futebol apresentado nos últimos encontros. O lateral ainda quase acertou um chute de fora da área depois dos 40 minutos do 2º tempo, mas só.

Zé Rafael, que tem sido o termômetro da equipe na mudança de estilo de jogo, foi outro que acertou poucas coisas que tentou, assim como Raphael Veiga. Até mesmo Weverton, que é um goleiro de poucas falhas, errou no gol de empate dos paraguaios. Lucas Lima, outro que vinha em evolução, entrou no segundo tempo e conseguiu ser expulso em falta infantil.

Nos primeiros 45 minutos, aliás, o Palmeiras conseguiu vencer por 1 a 0 em um resultado bastante injusto. A questão é que futebol está longe de ser o esporte mais justo e, quando o assunto é mata-mata, resultados desse estilo podem ser considerados normais na trajetória.

A expectativa era de ver um time mais ajustado no segundo tempo, mas isso não aconteceu. É claro que o fato de o time estar se recuperando agora de um surto de covid que não permite nem que seus atletas treinem também pesa no aspecto físico. Mas esse risco está no pacote de riscos quando clubes e Conmebol topam fazer a bola voltar a rolar em meio a uma pandemia.