PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Bala na Cesta


Lakers pedirá a funcionários do alto escalão redução de 20% dos salários

Rob Pelinka, gerente-geral do Lakers - Kevork Djansezian / APF
Rob Pelinka, gerente-geral do Lakers Imagem: Kevork Djansezian / APF
Fábio Balassiano

Por aqui você verá a análise crítica sobre tudo o que acontece no basquete mundial (NBB, NBA, seleções, Euroliga e feminino), entrevistas, vídeos, bate-papo e muito mais.

08/04/2020 11h34

O site The Athletic americana reportou que a organização Los Angeles Lakers pediu formalmente aos funcionários de seu alto escalão que reduzam seus salários em 20% durante o período em que a pandemia causada pelo COVID-19 persistir.

A medida afetaria apenas os funcionários mais bem remunerados da franquia (15% do do corpo de empregados segundo a publicação), entre eles Rob Pelinka, vice-presidente e responsável por toda a operação de basquete. Até o momento os empregados que seriam impactados pela solicitação não responderam à organização sobre a solicitação, pedindo até o final de semana para formalizar a decisão.

O "pedido" do Lakers, porém, não chega aos atletas (ainda), já que qualquer redução nos vencimentos dos jogadores deve ser discutida entre a Associação de Atletas (NBPA) e a NBA. De acordo com o Woj, jornalista também da ESPN, o assunto tem sido discutido entre as partes, mas até o momento nenhuma resolução aconteceu.

Os Lakers são a segunda franquia mais valiosa da NBA, avaliada em US$ 4,4 bilhões segundo a Forbes. A família Buss possui 66% da franquia, sendo a parte restante controlada pela AEG (cerca de 27%) e pelo Dr. Patrick Soon-Shiong (cerca de 5%). No mês passado, o Lakers, juntamente com o Los Angeles Clippers e o LA Kings, da NHL, criaram um fundo com mais de US$ 5 milhões para apoiar financeiramente os cerca de 2.800 funcionários que dependem da receita de jogos e eventos na arena.

Bala na Cesta