PUBLICIDADE
Topo

Basquete


Após quase um ano parado, Carmelo Anthony tenta recuperar rumo em Portland

Carmelo Anthony ficou muito tempo parado, mas mostrou que ainda tem valor na NBA - Jaime Valdez/USA Today
Carmelo Anthony ficou muito tempo parado, mas mostrou que ainda tem valor na NBA Imagem: Jaime Valdez/USA Today

José Edgar de Matos

Do UOL, em São Paulo (SP)

02/01/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Carmelo Anthony voltou às quadras com o Portland Trail-Blazers e soma mais de 15 pontos por jogo.
  • Contratado em novembro, o ala ficou quase 10 meses longe da NBA. Em fevereiro, foi dispensado sem jogar pelo Chicago Bulls.
  • Aos 35 anos, Carmelo é um dos maiores cestinhas da seleção americana e destaque da sua geração na NBA.
  • Neste curto período em Portland, Carmelo venceu um prêmio de 'jogador da semana' da NBA e se mostra útil.
  • O jogador assegurou contrato com o Portland Trail-Blazers até o fim da temporada.

Carmelo Anthony permaneceu quase um ano sem emprego na NBA. Um dos maiores cestinhas da história olímpica dos Estados Unidos e destaque de uma geração no basquete americano, o ala foi dispensado pelo Chicago Bulls em fevereiro, sem jogar. Passou toda a pré-temporada, e o veterano seguia longe das quadras. Mas, bastou a primeira chance para o jogador de 35 anos se mostrar ainda útil na liga.

Em novembro, o Portland Trail-Blazers, que vem sofrendo na briga por um lugar nos playoffs da Conferência Oeste, decidiu abrir as portas para o ala que já foi idolatrado em Nova York. Neste curto período de tempo, Anthony assumiu condição de titular —mesmo sem nem ter treinado direito com os novos companheiros—, ganhou um prêmio de melhor jogador da semana e garantiu seu salário até o fim da temporada. As médias estão longe do período de auge, mas são importantes para a equipe.

Por partida, Carmelo permanece 30 minutos em quadra e anota 16 pontos, além de apanhar 6 rebotes. Por outro lado, seu aproveitamento nos arremessos tem sido de apenas 40%. Ele tem volume de jogo, mas a eficiência também não é a mesma de outros tempos. Ainda assim, ofensivamente, o veterano tenta aliviar, no ataque, a pressão sobre as estrelas Damian Lillard e C.J. McCollum, os dois que levaram os Blazers à final da Conferência Oeste na temporada passada.

A grande resposta sobre as condições reais de Carmelo veio no fim de novembro. Pouco tempo depois de ser contratado, o ala somou médias de 22,3 pontos, 7,7 rebotes e 2,7 assistências e foi fundamental para uma sequência de três vitórias de Portland na semana.

Carmelo mantém uma média acima dos 15 pontos e tem colaborado (principalmente) no ataque de Portland - Katharine Lotze/AFP
Carmelo mantém uma média acima dos 15 pontos e tem colaborado (principalmente) no ataque de Portland
Imagem: Katharine Lotze/AFP

O reconhecimento veio no dia 2 de dezembro com o prêmio de grande destaque do Oeste naquele período. Foi a primeira indicação de "jogador da semana" de Carmelo Anthony em um período de cinco anos; a última vez ocorreu quando ainda vestia a camisa 7 do New York Knicks. O detalhe é que, ao assinar com a franquia do Oregon, o veterano havia aceitado um contrato sem garantias: o Portland tinha uma cláusula que permitia a rescisão quando a diretoria bem entendesse, sem precisar pagar seu salário na íntegra. Já não é mais o caso.

Desde o retorno, Carmelo vem também alcançando marcas importantes e subindo na lista dos maiores cestinhas da história da NBA. O ex-Knicks e Denver Nuggets ultrapassou Alex English e agora figura como o 18º no ranking histórico.

Este início deixou o Trail-Blazers à vontade para assegurar um compromisso até o fim da temporada. De Portland, o ala vem recebendo elogios semana a semana e começa o ano em alta.

"A condição física dele está excelente e, imediatamente, sua classe em quadra é notada pelos números que apresentou no pouco tempo de equipe. O impacto dele no jogo e no rendimento da equipe também têm sido notáveis", afirmou o técnico Terry Stotts, pouco depois de renovar com Carmelo.

Basquete