Topo

Basquete


Flamengo afasta Marcelinho e estuda demissão após briga com técnico

Marcelinho (d) discutiu com técnico José Neto (e) após jogo na última terça-feira - Gilvan de Souza/Flamengo
Marcelinho (d) discutiu com técnico José Neto (e) após jogo na última terça-feira Imagem: Gilvan de Souza/Flamengo

Fábio Aleixo e Pedro Ivo Almeida

Do UOL, no Rio de Janeiro

06/02/2015 06h00

A fase não é boa no basquete do Flamengo. Não bastasse a campanha irregular - é apenas o quarto colocado - dentro de quadra no NBB, o time que ganhou tudo na última temporada vive momento turbulento fora das quadras. E a situação ficou exposta na noite da última quinta-feira, no ginásio do Tijuca Tênis Clube. Enquanto o Rubro-negro vencia o Uberlândia por 91 a 58, a diretoria estudava o futuro do ala Marcelinho, vetado da partida por "problemas internos", segundo versão oficial do clube.

Principal jogador da vitoriosa história recente do basquete da Gávea, o jogador foi afastado daquela que seria sua partida de número 200 no NBB por conta de uma intensa discussão com o treinador José Neto na última terça-feira, depois da vitória sobre o Minas Tênis Clube.

Desgastado com comissão técnica e diretoria, Marcelinho não gostou de mais uma vez começar o jogo no banco de reservas e, após 17 minutos jogados e nenhum ponto marcado, partiu para cima de Neto no vestiário. Com xingamentos pesados, chamou o treinador de "merda" por várias vezes na presença de companheiros e membros da diretoria. Os dois quase chegaram a trocar agressões. E a briga só não foi maior graças a intervenção de jogadores.

Inconformados, o diretor executivo de esportes olímpicos, Marcelo Vido, e o vice-presidente da pasta, Alexandre Póvoa, decidiram por retirar Marcelinho do jogo de quinta. E a punição não para por aí. Os dirigentes ainda marcaram uma reunião para esta sexta-feira: na pauta, uma possível demissão de Marcelinho.

Vido e, principalmente, Póvoa não se conformaram com a maneira como o atleta se dirigiu ao treinador, quebrando uma hierarquia. No entanto, a dupla também sabe que seria difícil repor o elenco após a possível saída do camisa 4. A falta de opções no mercado pode acabar "salvando" uma demissão que chegou a ser dada como certa.

A atitude de Marcelinho foi o estopim de uma guerra fria nos bastidores iniciada em janeiro de 2013, quando a atual gestão assumiu o clube. Extremamente ligado a ex-presidente Patrícia Amorim, o camisa 4 do basquete rubro-negro nunca foi visto com bons olhos pela gestão de Vido, Póvoa e do mandatário atual, Eduardo Bandeira de Mello.

No início do mandato, o grupo, inclusive, estudava não renovar o caro contrato de Marcelinho, que recebe cerca de R$ 80 mil mensais. No entanto, o bom rendimento em quadra e a idolatria das arquibancadas impediram tal decisão. Ambas as partes, então, continuaram se "aturando", mas sem maiores demonstrações de carinho.

O clima ficou ainda pior quando Marcelinho assumiu o papel de líder do elenco e fez duras cobranças à diretoria sobre salários e prêmios de 2014 que não foram pagos - alguns estão em aberto até hoje. O jogador era sempre o porta-voz do elenco nas negociações por atrasados.

 

Nas últimas semanas, a guerra fria passou a ficar mais quente. Inconformado com o longo período que passava no banco de reservas, o ala se irritou durante a disputa da Liga das Américas. Em um certo jogo, a comissão técnica chegou a comentar internamente sobre um possível corpo mole do jogador.

Na volta ao Brasil para a sequência do NBB, o copo de Marcelinho "transbordou". Sem paciência, comprou a briga com Neto e deu aos comandantes do clube o argumento que faltava para deixar o atleta mais próximo da porta de saída da Gávea.

Com a camisa rubro-negra desde 2007, Marcelinho conquistou oito títulos estaduais no Rio de Janeiro, quatro brasileiros, uma Liga Sul-Americana, uma Liga das Américas e o Mundial Interclubes em outubro de 2014. E pode ter parado por aí. Apesar da resistência de alguns poderes do clube, a diretoria pode dar fim à passagem do jogador no Flamengo nesta semana.

Procurada pela reportagem, a assessoria de imprensa do jogador informou que o mesmo não iria se manifestar sobre o assunto. Como já disputou 18 partidas pelo Flamengo no NBB, Marcelinho não poderia se transferir para outro clube que disputa a competição na atual temporada.

Marcelinho comandou Fla no Mundial. No NBB, números modestos e pior média da carreira no torneio: 12,6 pontos por jogo, com apenas 25 minutos jogados por partida - Gaspar Nóbrega/Inovafoto
Marcelinho comandou Fla no Mundial. No NBB, números modestos e pior média da carreira no torneio: 12,6 pontos por jogo, com apenas 25 minutos jogados por partida
Imagem: Gaspar Nóbrega/Inovafoto