PUBLICIDADE
Topo

Basquete

Reforço do Flamengo para Mundial de basquete foi contratado "às escuras"

Fábio Aleixo e Pedro Ivo Almeida

Do UOL, em São Paulo e no Rio de Janeiro

25/09/2014 06h00

Um jogador com passagem sem brilho na NBA, que esteve longe dos holofotes nos últimos anos e que vai ter apenas dois dias de trenos com a equipe. Este é o principal reforço do Flamengo para a disputa do Mundial de Clubes masculino de basquete, no próximo final de semana, contra o Maccabi Tel Aviv, de Israel, no Rio de Janeiro.

Com 2,06m e quase 130kg, o grandão americano Derrick Caracter chega ao Rubro-negro praticamente às escuras. Ninguém no clube conhecia o jogador até a semana passada, quando o empresário Marcelo Maffia o apresentou para a diretoria flamenguista.

Caracter terá uma missão bem específica nos dois jogos que podem valer o inédito título ao clube da Gávea: realizar uma espécie de “jogo sujo” e conter o poderoso ataque israelense nas partidas de sexta-feira e domingo. O pivô americano tentará imprimir força ao garrafão do Flamengo.

Em uma primeira análise, a média de menos de dois pontos por partida na liga profissional americana e apenas cinco minutos em quadra por jogo assusta e pode até preocupar. Mas o técnico do Flamengo, José Neto, explica a opção por Caracter, que defendeu o Los Angeles Lakers por 41 partidas na temporada 2010/2011.

“Trouxemos ele para ter uma opção a mais no nosso jogo interior. Ele chega para somar e trazer muita força ao nosso garrafão. O time do Maccabi é forte, usa bem os pivôs e precisamos conter isso. Precisávamos de mais força na marcação e no rebote. A ideia é que ele cumpra bem esse papel. Além disso, contamos com ele para pontuar no ataque também”, esclareceu.

Neto trabalhou ao lado do diretor Marcelo Vido e, principalmente do vice-presidente de esportes olímpicos do Flamengo, Alexandre Póvoa, para viabilizar a contratação do pivô que não era a primeira opção.

O clube da Gávea chegou a sondar uma dezena de atletas, mas ninguém queria aceitar o contrato de apenas um mês – dois jogos contra o Maccabi e três duelos amistosos na NBA, contra Phoenix Suns, Orlando Magic e Memphis Grizzlies.

Foi, então, que o clube acionou o agente Marcelo Maffia, também responsável pelas carreiras de brasileiros como Tiago Splitter, Caio Torres e Paulão Prestes, e resolveu a situação. O empresário levou o nome do desconhecido Caracter à cúpula do Flamengo. Após algumas análises, técnico, diretor e vice-presidente, que não conheciam o jogador, toparam a oferta.

“Foi uma correria louca para viabilizar a vinda dele. Faz 24 anos que trabalho com basquete e nunca vivi uma situação destas. As conversas começaram no meio da semana passada. Aí tivemos de arrumar o visto rapidamente, o que conseguimos no consulado lá em Miami, tanto que ele chegou apenas na quarta-feira. Ele praticamente não treinará com a equipe. É um grande incógnita o que ele poderá fazer”, afirmou o empresário.

Antes de acertar com o Flamengo, Caracter estava treinando no Utah Jazz, sem garantia nenhuma de contrato para atuar na NBA A última equipe pela qual atuou foi o Idaho Strampede, da D League (a liga de desenvolvimento da NBA). Antes, entre os anos de 2012 e 2013, passou pelo Guaynabo Mets (Porto Rico), Bnei Herzliya (Israel) e BC Pieno Zvaigzdes (Lituânia).

“Só o conheço pelas estatísticas e por vídeos. Não sei se é a melhor ou pior opção para o Flamengo. Era a que tinha no momento. Claro que é um grande risco, mas talvez possa fazer o que se espere dele”, disse Maffia, que não quis revelar os valores do contrato.

“Não estou autorizado a isso, mas posso garantir que não é nada fora do comum”, completou.

Passagem relâmpago
Aposta arriscada, Derrick Caracter terá pouco tempo para se entrosar antes dos jogos decisivos do Mundial. Após desembarcar no Brasil na manhã da última quarta-feira, ele treinou à tarde na Arena da Barra da Tijuca com o restante do elenco e fará apenas mais uma atividade antes do primeiro jogo – na sexta-feira.

E a aventura do pivô americano em solo brasileiro não irá durar muito. Serão exatos dez dias. No próximo dia 3, Derrick já embarca com os rubro-negros para a série de amistosos contra times da NBA e por lá ficará.

Por conta da limitação de apenas três estrangeiros por equipe no NBB, o Flamengo não irá escrevê-lo no campeonato nacional e estender seu contrato. O clube já conta com os argentinos Nícolas Laprovittola e Walter Herrman, além do americano Jerome Meyinsse.

Nos dez dias da passagem pelo Rio de Janeiro, Derrick se dividirá entre dois hotéis. O primeiro, na Barra da Tijuca e que serve de concentração para o time antes do Mundial, será sua casa até o próximo domingo. Depois disso, ele se muda para um hotel próximo à Gávea, sede do clube e local de treinos na próxima semana.

Basquete