PUBLICIDADE
Topo

Primeiro livro do Sarau das Pretas ecoa voz de mulheres negras e LGBTQIA+

As integrantes do Sarau das Pretas Taissol Ziggy, Débora Garcia, Elizandra Souza, Jô Freitas e Thata Alves  - Divulgação
As integrantes do Sarau das Pretas Taissol Ziggy, Débora Garcia, Elizandra Souza, Jô Freitas e Thata Alves Imagem: Divulgação

Lígia Nogueira

Colaboração para Ecoa, em São Paulo

25/07/2020 15h35

As palavras declamadas, tambores e corpos em movimento do Sarau das Pretas vão ecoar, agora, nas páginas de sua primeira antologia. "Narrativas Pretas", com textos de 20 novas autoras selecionadas a partir de um concurso realizado no fim do ano passado, será lançado em evento online neste sábado (25), Dia da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha e da Diáspora.

"É uma tentativa de abrir as portas para que outras mulheres negras possam expressar suas vivências e trajetórias por meio da poesia de tema livre, tal qual ocorre no Sarau das Pretas", dizem Débora Garcia, Elizandra Souza, Jô Freitas, Taissol Ziggy e Thata Alves, integrantes do coletivo formado na periferia de São Paulo em 2016.

Com a pandemia, conta Jô, as lives têm sido uma maneira de manter a conexão com o público. "O Sarau das Pretas está se adaptando aos cancelamentos de apresentações e tentando lidar de maneira sadia com o caos. Muitas de nós não temos trabalho fixo e estamos contando com ajuda de auxílio emergencial e outras possibilidades para nos mantermos", diz.

Os textos da obra são todos inéditos e de mulheres residentes em comunidades de São Paulo que se auto declaram negras e/ou LGBTQIA+. O principal intuito, contam, é ressaltar o protagonismo da mulher negra como um ato cultural e político. "A procura foi muito grande e tivemos até pedidos para abrirmos em outras cidades, mas não temos braço para isso", diz Jô.

Para celebrar este momento de conquista coletiva de lançamento da Antologia Poética Narrativas Pretas, nós do Sarau das Pretas convidamos Bia Ferreira e Doralyce. Saiba mais sobre elas: BIA FERREIRA Instagram: @igrejalesbiteriana Mineira, cantora e compositora, Bia Ferreira conquistou o Brasil com a canção "Cota Não é Esmola", canto de resistência antirracista. Groovando com toques de gospel, do rap e reggae, o show do disco " Igreja Lesbiteriana, Um Chamado", lançado em 2019, pauta a informação como tecnologia para um levante pela luta antirracista e para o protagonismo pessoas LBT's. Sua voz tem ecoado por vários países do mundo. DORALYCE ( click no link) instagram: @missbelezauniversal Artivista, feminista, cantora e compositora de hinos como "Miss Beleza Universal" e a versão feminista da música "Mulheres", Doralyce desconstrói os padrões da sociedade. Dona de uma personalidade contagiante, o Baile "Miss Beleza Universal " propõe a emancipação das mulheres, convocando a revolução feminista em seu baile, um ritual de música, dança, poesia, e fé, de "Exu à Oxalá" pra mexer o corpo e a mente junto. #vai2019 #narrativaspretas #Visibilidade #Prazer #Ancestralidade #Filho #Quilombagem #Reconhecimento #Abertura #Cuidado #Aparecer #Emancipação #Oportunidade #Inspiração #Semear #Voz #Potência #Palavra #Matripotência #Existência #Memória #Orgulho #Encontro #afago #conquista #saraudaspretas #narrativaspretas #literaturanegra #autorasnegras #biaferreira #doralyce

Uma publicação compartilhada por saraudaspretas (@saraudaspretas) em

O concurso foi contemplado pelo VAI - Programa de Valorização de Iniciativas Culturais da Secretaria de Cultura Municipal de São Paulo e o livro está à venda no site do Sarau das Pretas. A live no Facebook do grupo terá participação das artistas Bia Ferreira e Doralyce.

Lançamento do livro "Narrativas Pretas"
Quando: sábado (25), das 18h às 20h
Onde: Facebook Sarau das Pretas