PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Opinião


Opinião

Grileiros, madeireiros e garimpeiros não fazem home office

35% do desmatamento na Amazônia entre agosto de 2018 e julho de 2019 se deu em terras públicas não destinadas, categoria visada por grileiros - Reuters
35% do desmatamento na Amazônia entre agosto de 2018 e julho de 2019 se deu em terras públicas não destinadas, categoria visada por grileiros Imagem: Reuters
Carol Marçal dos Santos e Danicley de Aguiar

sobre os colunistas

Carol Marçal dos Santos

Ativista, gestora ambiental pela Universidade de São Paulo (USP) e mestre em Gestão de Áreas Protegidas na Amazônia pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA). Há 8 anos no Greenpeace, foi uma das responsáveis pela mobilização do "Desmatamento Zero", que em 2015 resultou na entrega ao Congresso Nacional de um Projeto de Lei apoiado por mais de 1,4 milhão de brasileiros. Atualmente, integra a equipe do projeto Todos os Olhos na Amazônia, cuja coordenação no Brasil é feita pelo Greenpeace.

Danicley de Aguiar

Engenheiro agrônomo, especialista em Planejamento de Desenvolvimento Regional e há 20 anos trabalha com movimentos sociais, populações indígenas e ribeirinhas na Amazônia. Atua desde 2012 na campanha de Amazônia do Greenpeace Brasil, trabalhando para conscientizar a sociedade e o governo brasileiro em relação aos riscos e impactos que as grandes obras de infraestrutura representam para a conservação deste bioma no desenvolvimento regional. Contribuiu para a pressão que resultou no arquivamento do processo de licenciamento da hidrelétrica de São Luiz do Tapajós.

31/03/2020 04h30

Vivemos tempos difíceis que nos impõem a adoção de medidas inimagináveis até bem pouco tempo atrás. Uma delas, o isolamento social, é um grande desafio para a sociedade brasileira. Porém, é a melhor opção para prevenir a proliferação em massa do novo coronavírus (Covid-19), segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), sejamos nós moradores da cidade, do campo ou das florestas.

Em que pese o isolamento geográfico, os povos que habitam áreas de floresta, especialmente na Amazônia, também não estão a salvo do vírus, como alguns pensam.

As múltiplas relações sociais e de mercado estabelecidas entre estes e as cidades da região, associadas às severas limitações de logística e estrutura da Rede de Atenção Primária à Saúde, potencializam o risco de epidemia para os povos indígenas e as comunidades tradicionais. Diante da ameaça iminente, estes povos que vivem na e da floresta já adotam medidas de isolamento voluntário, especialmente os indígenas, que reconhecem sua histórica vulnerabilidade epidemiológica.

No entanto, na contramão de grande parte da população brasileira, grileiros, madeireiros e garimpeiros não paralisaram suas atividades e seguem a todo vapor cometendo atividades criminosas que destroem a floresta. Estas pessoas precisam, urgentemente, serem impedidas de prosseguir, sob pena de se transformarem nos transmissores do coronavírus para os mais de 400 mil indígenas dos 180 povos que há milênios vivem na Amazônia, em nome da ganância por terra, madeira e minérios.

De setembro de 2019 ao último 12 de março, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), foram gerados 16.212 alertas de desmatamento para 3.282,89 km² de floresta, que, provavelmente, serão alvo das queimadas efetuadas por pecuaristas ou grileiros durante a estação seca na Amazônia. Um preocupante agravante, ainda mais neste contexto de pandemia, é que as queimadas sobrecarregam ainda mais o sistema de saúde da região.

Segundo a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), entre maio e junho de 2019, no início da temporada de queimadas, nas áreas mais afetadas pelo fogo, o número de crianças internadas com problemas respiratórios dobrou. Foram nada menos que 2,5 mil internações a mais, por mês, gerando um custo excedente de R$ 1,5 milhão ao Sistema Único de Saúde (SUS). De acordo com dados da Fiocruz, viver em uma cidade próxima às queimadas aumenta em 36% o risco de internação por problemas respiratórios.

Na esteira dos impactos econômicos e da insegurança gerada nos mercados em meio à pandemia global, em apenas três meses o preço do grama de ouro subiu quase R$ 100, passando de R$ 197,54 em dezembro de 2019 para R$ 268,17 no final de março de 2020. Estamos já testemunhando uma nova corrida ao ouro, que trará consequências inestimáveis à floresta e a seus povos. O compromisso do governo Bolsonaro de atender as demandas do setor mineral, liberando a exploração de minérios nas terras indígenas e regularizando os milhares de garimpos ilegais, tanto dentro como fora desses territórios, acende uma perigosa luz vermelha.

Segundo a Rede Amazônica de Informação Socioambiental (Raisg), em dezembro de 2018, a Pan-Amazônia já vivia uma epidemia de garimpo. Só na Amazônia brasileira, seriam pelo menos 18 terras indígenas invadidas por garimpeiros, entre elas as dos povos Munduruku e Yanomami. Juntas, elas somam mais de 10 milhões de hectares de floresta nativa que, atualmente, estão infestadas por milhares de garimpeiros. Infelizmente, esses povos apresentam índices alarmantes de contaminação por mercúrio, com provável origem nos garimpos da região.

Preocupada com os impactos que essa nova corrida ao ouro vai causar, a Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab) divulgou um posicionamento oficial no último dia 24 exigindo o esvaziamento dos garimpos e a devida proteção dos territórios indígenas do Brasil.

Diante do grave risco que a pandemia se espalhe pela Amazônia, podendo causar um outro genocídio indígena, é urgente que o Estado brasileiro ouça os alertas dos povos indígenas e implemente ações concretas de proteção da floresta e de seus povos. É inadmissível negligenciar a saúde daqueles que cuidam da floresta.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Opinião