Siga nas redes
Reportagem

Recaatingamento: uma estratégia para salvar o semiárido da desertificação

Nos sertões do norte da Bahia, botar cerca na mata era coisa que nem se podia conceber. Pela tradição que rege as comunidades de fundo de pasto, a Caatinga é de todos: tudo ali, dos umbuzeiros aos mandacarus, deve permanecer de livre acesso para pleno usufruto de seus recursos.

Fundo de pasto é isso: uma área de vegetação nativa preservada ao longo das gerações para que todos possam criar juntos os bodes, coletar os frutos, extrair as ervas.

Assim foi, desde sempre, em Lages das Aroeiras, comunidade da zona rural de Uauá. Até que a Caatinga começou a morrer.

"A Caatinga morreu muito", sentencia Waldemar Cardoso da Silva, 75 anos, à sombra de uma das raras imburanas centenárias a restar de pé em Lages das Aroeiras.

Waldemar Cardoso da Silva, morador de Lages das Aroeiras, Uauá, Bahia.
Waldemar Cardoso da Silva, morador de Lages das Aroeiras, Uauá, Bahia. Imagem: Rafael Martins

Mesma coisa as baraúnas, as quixabeiras, até as aroeiras, que dão nome à comunidade: "tem que andar muito para achar um pé". Todas elas árvores grandes, "que flutuam", como define Waldemar, aquelas de copa generosa, que no passado faziam com que não fosse possível ver uma casa distante da outra, de tão frondosa que era a Caatinga.

Se Waldemar, morador de Lages das Aroeiras desde que nasceu, fala de uma Caatinga morta, é de se supor que o que havia antes era uma Caatinga viva — o que desafia a lógica vigente de que o semiárido nordestino é uma terra hostil, avessa à vida.

Prova do contrário é que este é o semiárido mais populoso do mundo, habitado por 28 milhões de pessoas. E toda a cultura que floresceu aqui.

É também o semiárido mais chuvoso do planeta, ainda que as chuvas estejam mal distribuídas ao longo do ano — apenas quatro meses; o resto é estiagem.

Continua após a publicidade
Xique-xiques e mandacarus na Caatinga da Bahia
Xique-xiques e mandacarus na Caatinga da Bahia Imagem: Xavier Bartaburu/Mongabay

E o solo em geral é raso e pedregoso, o que em tese não favorece o crescimento de plantas. No entanto, o mais recente inventário detectou a presença de 3.150 espécies vegetais no único bioma exclusivamente brasileiro, um quinto delas endêmicas.

É o que permite que cerca de 1.400 espécies de vertebrados façam deste seu habitat, incluindo 548 espécies de aves e 183 de mamíferos.

Isso só é possível porque todos aqui - vegetais, animais e humanos - aprenderam a conviver com um clima adverso, onde o sol faz tudo quanto é água sobre a terra evaporar com facilidade.

Para não morrer de sede, as plantas descobriram formas de armazenar água nos meses secos, aprimoraram suas raízes para captar o máximo de umidade do solo e se acostumaram a perder suas folhas para evitar a transpiração — o que, em tempo de estiagem, tinge a Caatinga do tom cinzento que lhe deu a origem do nome tupi, "mata branca". Com as primeiras chuvas, tudo reverdece de novo.

Flores de umbuzeiro na Caatinga da Bahia.
Flores de umbuzeiro na Caatinga da Bahia. Imagem: Xavier Bartaburu/Mongabay
Continua após a publicidade

Se a população humana caatingueira vem morrendo de sede - e de fome - há mais de um século, isso se deve ao que se convencionou chamar de "indústria da seca", que é o desvio de verba federal destinada ao alívio dos impactos climáticos para a construção de poços e açudes nas terras dos grandes proprietários.

Não fosse isso, bastaria o acesso universal a sistemas simples, porém eficazes, de captação, armazenamento e reúso de água (como cisternas) para manter todo o mundo vivo. E o entendimento de que a vocação do sertão, como é de praxe nos semiáridos do mundo, é pastoril, não agropecuária.

"Vaca morre, roça acaba, mas a cabra sempre sobrevive", diz José Moacir dos Santos, presidente do Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada (Irpaa), uma das mais importantes organizações da Bahia dedicadas à convivência com o semiárido, fundada em 1990.

Bode em área de fundo de pasto, município de Uauá, Bahia.
Bode em área de fundo de pasto, município de Uauá, Bahia. Imagem: Xavier Bartaburu/Mongabay

Moacir explica que, desde o início da colonização do sertão, todo o foco esteve na criação de gado e seu papel de fornecer carne às cidades e engenhos do litoral.

A cabra era criada só para a manutenção da família do vaqueiro. Era a vaca do pobre. Mas aí a seca foi matando as vacas todas e a cabra foi sobrevivendo.

Continua após a publicidade

José Moacir dos Santos, presidente do Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada

Isso porque a própria vegetação da Caatinga provê todo o alimento de que um rebanho de caprinos e ovinos precisa para se manter.

Sobretudo nos meses de seca e nas áreas de sequeiro (que dependem unicamente da água da chuva), onde só as plantas mais resistentes sobrevivem — e os animais que se alimentam delas.

O problema é que agora tem cabra demais no sertão. Segundo o IBGE, são 11,8 milhões os caprinos (cabras e bodes) que hoje pastam no Nordeste (95% do rebanho nacional), além de outros 15 milhões de ovinos (ovelhas e carneiros, 70% do total).

Todos destinados à produção de carne e couro — para milhões de famílias, a única fonte de renda.

Moacir dos Santos, presidente do Irpaa, instituto responsável pelo projeto Recaatingamento.
Moacir dos Santos, presidente do Irpaa, instituto responsável pelo projeto Recaatingamento. Imagem: Xavier Bartaburu/Mongabay
Continua após a publicidade

Não bastasse a superpopulação, é comum que esses rebanhos andem soltos, sem cercas nem currais, dispersos pela Caatinga em busca de tudo aquilo que estiver ao alcance de seus dentes.

Isso inclui a mata baixa e também os brotos das árvores que, não fossem os bodes, chegariam a dezenas de metros de altura. Como relata Waldemar, "o umbuzeiro, por exemplo, não tem plantas novas. Quando ele nasce na Caatinga, o bicho come".

E brotar, num ambiente de sol excessivo e solo escasso, já sabemos que não é fácil.

A recuperação da Caatinga é bem lenta, leva 20, 30 anos. É diferente da Amazônia: choveu de novo, em cinco anos a floresta já está de pé.

José Moacir dos Santos, presidente do Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada

No semiárido, ele complementa, não só a chuva é pouca como também o solo não contribui, o que praticamente inviabiliza qualquer tentativa de reflorestamento:

"No início, a gente plantou muita muda. Umas 150 mil plantas, de todo tipo. Mas a mortalidade foi de quase 100%. E tem a presença dos bodes, o que dificulta ainda mais a regeneração."

Continua após a publicidade

Já que é impossível reflorestar, a solução, pois, é recaatingar.

Placa em fundo de pasto na comunidade de Serra da Besta, município de Uauá, Bahia.
Placa em fundo de pasto na comunidade de Serra da Besta, município de Uauá, Bahia. Imagem: Xavier Bartaburu/Mongabay

Cercar a Caatinga

Invertendo a lógica dos currais, a comunidade de Lages das Aroeiras estendeu 2 quilômetros de arame em torno de 21 hectares de Caatinga com o único objetivo de manter cabras, ovelhas e bodes do lado de fora.

Outras 34 comunidades no norte da Bahia fizeram o mesmo, e agora já são 1.500 hectares de sertão cercados.

Esse é o cerne do Recaatingamento, projeto que o Irpaa vem desenvolvendo desde 2009: recuperar áreas de Caatinga deixando que a própria natureza se encarregue de fazê-lo, com o mínimo de intervenção humana. Como define Moacir, "reconhecer que a Caatinga está cansada e que ela precisa descansar."

Continua após a publicidade

Para isso, o Irpaa contou com um tipo de arranjo social muito comum no norte baiano, que são as comunidades de fundo de pasto, forma ancestral de gestão coletiva do território em que um grupo de famílias compartilha uma área de vegetação nativa para o pastoreio e o extrativismo.

É nas comunidades de fundo de pasto que se encontra boa parte da Caatinga conservada. São as guardiãs da Caatinga.

Vanderlei Leite, articulador das ações do Irpaa no município de Canudos

Fundo de pasto na comunidade de Serra da Besta, município de Uauá, Bahia.
Fundo de pasto na comunidade de Serra da Besta, município de Uauá, Bahia. Imagem: Xavier Bartaburu/Mongabay

O último mapeamento, de 2020, registrou a presença de 966 comunidades autoidentificadas como de fundo e fecho de pasto na Bahia — "fecho" é o nome dado quando os rebanhos, geralmente bovinos, são levados para criatórios distantes da comunidade.

Dessas, 252 têm alguma forma de regularização fundiária. Até 2013, a titulação era vitalícia; desde então, as famílias assinam com o governo estadual um Contrato de Concessão de Direito Real de Uso, válido por 90 anos, possível de ser prorrogado.

Continua após a publicidade

Todas as comunidades recaatingueiras do projeto, como são chamadas, são também de fundo de pasto. Envolvem 600 famílias de 14 municípios, que se encarregam de mapear o território e escolher as áreas que serão recaatingadas. Isso inclui duas estratégias: isolar ou manejar.

A área a ser isolada pode ser um trecho de vegetação preservada ou degradada, cabe à comunidade decidir.

A de Lages das Aroeiras é uma espécie de museu vivo da Caatinga, cheia de baraúnas e imburanas ancestrais cujos galhos sombreiam jardins de macambiras e xique-xiques. Tem só três anos que foi cercada, então é cedo para enxergar os resultados neste bioma de tempos lentos.

Deusimar Rodrigues da Silva verifica a cerca de arame que protege a área de Caatinga em recuperação na comunidade de Lages das Aroeiras.
Deusimar Rodrigues da Silva verifica a cerca de arame que protege a área de Caatinga em recuperação na comunidade de Lages das Aroeiras. Imagem: Xavier Bartaburu/Mongabay

"A partir de dez anos de isolamento, você percebe mudanças na paisagem", diz Moacir. "A primeira delas é o tamanho das plantas que já existem."

Livres das cabras, novos brotos viram árvores, que lançam suas sementes no chão e fazem germinar outros vegetais.

Continua após a publicidade

Vemos também maior quantidade de plantas rasteiras, que são importantes para manter o solo coberto e evitar a perda de água para evaporação. Isso possibilita que novas plantas se desenvolvam naquele ambiente.

José Moacir dos Santos, presidente do Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada

No semiárido, cada gota conta, e é por isso que, nas áreas isoladas, o Irpaa ensina as comunidades a realizar ações que potencializam a captação da água da chuva.

Uma delas são os barramentos com pedras, que, quando chove, forçam os riachos a ficar mais tempo no leito. "Aquela água que para, ela infiltra. Com o passar do tempo, pode ser formado um manancial no subsolo que pode facilitar a vida", esclarece Waldemar. "Também junta muito adubo orgânico, e ali vão nascer muitas árvores."

Frutos da macambira.
Frutos da macambira. Imagem: Xavier Bartaburu/Mongabay

Outra técnica é a escarificação, que consiste em criar vários cortes no solo numa área de declive, que agem como curvas de nível. Quem explica é Vanderlei:

Continua após a publicidade

A água antes vinha embora ligeira, com muita força. Com a escarificação, ela bate numa curva de nível e amortece a velocidade. Em cada corte, você pode plantar macambiras, que ajudam a segurar a água.

Menos bodes, mais umbus

Tão ou mais importante que isolar um trecho de Caatinga é saber o que fazer com os bodes, cabras e ovelhas que continuam pastando nas áreas soltas.

É aí que entra a outra estratégia de conservação do Recaatingamento, que é o plano de manejo dos fundos de pasto. Segundo a Embrapa, cada caprino ou ovino precisa de 1 hectare de Caatinga para viver bem e se manter produtivo. "Aí nós temos feito as contas", resume Vanderlei.

Esse cálculo é chamado de "capacidade de suporte da área": quantos animais a comunidade possui, qual o tamanho do território onde eles pastam e se há alimentação suficiente nesse espaço.

Destina-se, então, uma outra área, sem cercas, para o uso sustentável da Caatinga, com o número exato de animais que o lugar suporta.

Continua após a publicidade
Flores da Caatinga.
Flores da Caatinga. Imagem: Xavier Bartaburu/Mongabay

Em Lages das Aroeiras, por exemplo, de um total de 258 hectares declarados de fundo de pasto, 189 hectares foram reservados para o manejo (além dos 21 hectares em recuperação).

Somando as 35 comunidades recaatingueiras da Bahia, já são 40 mil hectares de Caatinga conservada nesses termos, onde cabras e plantas convivem em gentil equilíbrio, um sem comprometer a sobrevivência do outro.

E para onde vão as cabras que não cabem nessas áreas? Já que, no sertão, reduzir o rebanho significa reduzir a receita, muitas vezes a única, só há duas opções: encontrar novas fontes de renda ou encontrar novas fontes de alimento para os animais.

Uma das práticas que o projeto Recaatingamento incentiva é a produção de ração para caprinos e ovinos a partir de plantas exóticas, sobretudo a palma, cacto nativo do México.

Bode em área de fundo de pasto.
Bode em área de fundo de pasto. Imagem: Xavier Bartaburu/Mongabay

Lages das Aroeiras já tem há 10 anos uma Casa de Ração comunitária instalada próxima à área de manejo, onde se elabora a forragem que nutre os cerca de 1.800 animais da comunidade.

Continua após a publicidade

A gente produz tudo aqui: palma, andu, sorgo. E não usa nada de químico, só esterco e água. Os animais agora vêm todos para cá se alimentar. Vêm até sozinhos já.

José Rodrigues Cardoso, conhecido como Carlinhos, presidente da Associação Comunitária e Agropastoril dos Pequenos Produtores de Lages das Aroeiras (Acapplas)

A mesma forragem que dá de comer aos rebanhos e alivia a pressão sobre a vegetação da Caatinga também serve de alimento para um seleto grupo de cabras, todas brancas, trazidas de fora, que vivem no curral vizinho à Casa de Ração. Já de olho numa nova fonte de renda, Lages das Aroeiras agora está investindo no leite de cabra.

Numa região com tamanho rebanho de caprinos, é de se esperar que a produção do leite desses animais fosse algo habitual, mas Moacir explica que as cabras que hoje vivem no sertão, descendentes das originais trazidas pelos portugueses, tiveram que se adaptar ao semiárido e perderam a capacidade de fornecer leite de qualidade.

Produção de forragem na Casa de Ração de Lages das Aroeiras.
Produção de forragem na Casa de Ração de Lages das Aroeiras. Imagem: Xavier Bartaburu/Mongabay

Qualquer produção leiteira aqui, portanto, implica introduzir animais de fora, menos rústicos, por assim dizer:

Continua após a publicidade

A cabra de leite precisa de mais cuidado, mais comida. Se soltar uma cabra branca dessas na Caatinga, ela não rende.

O leite das novas cabras de Lages das Aroeiras vai agora para a sede da mais importante cooperativa agroecológica da região, a Cooperativa Agropecuária Familiar de Canudos, Uauá e Curaçá (Coopercuc), na cidade de Uauá, que há pouco abriu um laticínio destinado a produzir queijos e iogurtes de cabra.

É o mesmo lugar para onde vão os umbus, os licuris e os maracujás-da-caatinga que a comunidade coleta no fundo de pasto, e cujo destino será a transformação nos sucos, geleias, licores e compotas que serão vendidos em todo o Brasil.

Edite Rodrigues de Santana, moradora de Lages das Aroeiras, e o picolé de licuri fabricado na comunidade.
Edite Rodrigues de Santana, moradora de Lages das Aroeiras, e o picolé de licuri fabricado na comunidade. Imagem: Xavier Bartaburu/Mongabay

"O Recaatingamento incentiva outras atividades que vão gerar renda e fazer com que a família não dependa 100% das cabras soltas na Caatinga", diz Moacir. "Em médio prazo, ela pode reduzir o tamanho do rebanho sem perder renda porque ela desenvolveu outras atividades econômicas."

Se essa renda vier do extrativismo de frutas nativas, ainda melhor, pois a única maneira de isso ser possível é mantendo a Caatinga em pé.

Continua após a publicidade

Como conta Carlinhos, Lages das Aroeiras chegou a ter uma minifábrica de derivados de frutas na própria comunidade, parte de uma iniciativa da Coopercuc de espalhar pequenas unidades de beneficiamento pela zona rural.

Mas, "a partir de 2016, com o impeachment da Dilma, a gente perdeu a fonte de escoamento, que era o PAA [Programa de Aquisição de Alimentos], e aí fecharam várias unidades."

Mamangava polinizando flores em área de fundo de pasto.
Mamangava polinizando flores em área de fundo de pasto. Imagem: Xavier Bartaburu/Mongabay

Hoje as várias comunidades da região vendem a fruta in natura para a fábrica central da Coopercuc, mas Lages das Aroeiras resolveu inovar: reestruturou sua unidade para a produção de picolés de umbu e licuri, que já estão sendo distribuídos nas cidades vizinhas.

"Tem dado certo", resume Carlinhos.

O próximo passo é a produção de mel de abelhas nativas, e Lages das Aroeiras já tem um meliponário instalado no meio da área cercada. Por enquanto improdutivo, mas já com uma colmeia repleta de mandaçaias, especialistas na polinização de umbuzeiros e aroeiras. Fecha-se, assim, o ciclo do Recaatingamento: mais renda em casa, mais árvores na mata.

Continua após a publicidade

O sertão vai virar ar

Seria mais fácil se as comunidades recaatingueiras tivessem um elemento a seu favor: o tempo - tanto o do relógio quanto o do céu. Num mundo acometido pelo aquecimento global, porém, as mudanças climáticas chegam mais rápidas e mais ferozes a um bioma frágil como a Caatinga.

Carlinhos Cardoso no meliponário de Lages das Aroeiras.
Carlinhos Cardoso no meliponário de Lages das Aroeiras. Imagem: Xavier Bartaburu/Mongabay

Secas recorrentes sempre fizeram parte da dinâmica do semiárido, mas o que os moradores têm visto são episódios cada vez mais extremos e duradouros.

A última grande seca, que persistiu de 2012 a 2017, foi a mais longa da história recente do Nordeste — os registros de algo semelhante datam do século 19. Segundo o MapBiomas, a Caatinga perdeu 54 mil hectares de sua superfície de água de origem natural (sem contar hidrelétricas e reservatórios) entre 1985 e 2022, o equivalente a 17% do total original.

E tende a piorar: o Primeiro Relatório de Avaliação Nacional sobre Mudanças Climáticas, estudo pioneiro sobre os impactos do aquecimento global no Brasil, previu aumento de 0,5 ºC a 1 ºC na temperatura e redução de até 20% das chuvas até 2040. Até o fim do século, as projeções indicaram temperaturas 4,5 ºC mais altas e chuvas reduzidas pela metade.

Continua após a publicidade

Ou seja, por mais que se construam mais represas, a taxa de evaporação vai aumentar.

Leito seco do Rio Bendegó, município de Canudos, Bahia.
Leito seco do Rio Bendegó, município de Canudos, Bahia. Imagem: Xavier Bartaburu/Mongabay

Moacir conta o que vem acontecendo no norte da Bahia:

As chuvas se mostram em períodos mais curtos, e a planta tem menos tempo para vegetar. Mas o mais grave é o aumento da temperatura: a evaporação cresce e aí dificulta ainda mais a permanência das plantas. As mais sensíveis tendem a desaparecer e as mais resistentes tendem a ocupar novas áreas.

De fato: segundo o IBGE, 294 espécies de plantas da Caatinga já estão sob algum grau de ameaça — quase 10% do total. E um estudo concluiu que, até 2060, 99% das comunidades de plantas do bioma terão perda de espécies; ou seja, nas próximas décadas, espera-se uma paisagem sertaneja cada vez mais homogênea.

A presença humana só torna tudo ainda mais difícil. E não se trata apenas da superpopulação de bodes, cabras e ovelhas — a Caatinga já é o terceiro bioma mais desmatado anualmente no Brasil. Segundo cálculo do MapBiomas, o número de alertas de desmatamento identificados ali aumentou 2.500% entre 2019 e 2022, ano em que se somaram 140 mil hectares de vegetação suprimida.

Continua após a publicidade
Área desertificada no município de Uauá, Bahia.
Área desertificada no município de Uauá, Bahia. Imagem: Xavier Bartaburu/Mongabay

A maior parte desse desmatamento vem acontecendo nas áreas de transição com o Cerrado, em particular na região conhecida como Matopiba, grande frente de expansão agropecuária entre Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia. Mas também o miolo do semiárido vem sofrendo impactos, sobretudo nas áreas onde o desenvolvimento de tecnologias de irrigação estimulou a produção comercial de frutas e de mamona.

Outro fenômeno recente é o avanço das instalações de energia renovável, como usinas eólicas e solares. Por mais limpas que sejam as fontes, os relatos falam de inúmeros impactos, inclusive perda de vegetação: foram mais de 4 mil hectares em 2022, segundo o MapBiomas.

Vale lembrar que 50% da matriz energética do Nordeste é eólica.

E, assim, a Caatinga caminha para a desertificação.

Que não é deserto, né? Deserto é também um bioma. Ali você tem todo um ciclo de vida que se harmoniza naquela situação climática. Desertificação é a esterilização do solo e a impossibilidade de vida naquele ambiente. O deserto é uma causa natural; a desertificação é uma causa humana, artificial.

Continua após a publicidade

José Moacir dos Santos, presidente do Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada

Vamos aos números: 126.336 km², ou 12,85% do semiárido, já se encontram em processo de desertificação, segundo cálculo do Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélites (Lapis) da Universidade Federal de Alagoas.

É uma área equivalente à de Portugal, fracionada em manchas que se espalham por toda a Caatinga (e além) — a maior delas é justo entre o sul de Pernambuco e o norte da Bahia, onde fica Uauá.

Waldemar Rodrigues da Silva na comunidade de Lages das Aroeiras, município de Uauá, Bahia.
Waldemar Rodrigues da Silva na comunidade de Lages das Aroeiras, município de Uauá, Bahia. Imagem: Xavier Bartaburu/Mongabay

Contudo, apesar do cenário desalentador, "em 10 anos, essa comunidade aqui praticamente triplicou o número de casas", conta Moacir, referindo-se a Lages das Aroeiras. "Os filhos não foram embora."

É a mesma tendência observada em outras comunidades recaatingueiras, prova de que é possível reverter o êxodo climático se as comunidades enxergarem um motivo para permanecer na terra.

Continua após a publicidade

A convivência com o semiárido é uma questão de conceito, de percepção do ambiente. Nós não criamos uma cultura de pensar o desenvolvimento local porque nossa cabeça estava na ideia de que aqui não presta, que tinha que ir embora.

É por isso que as ações do Irpaa, que vão muito além do Recaatingamento, focam também na fixação das famílias à terra: aprimorando os meios de captação de água da chuva, incentivando a produção de alimentos, investindo em tecnologias sustentáveis, como a produção de biogás a partir do esterco de animais.

Tudo isso mantendo a Caatinga em pé. Já são 3 mil no total as famílias beneficiadas pelos projetos do Irpaa.

Moacir é um otimista, do tipo que enxerga a metade cheia do copo: "Se tem 50% da Caatinga em estado de degradação, então tem 50% em conservação. Bem mais que a Mata Atlântica, né?".

Luis Gustavo da Silva, morador da comunidade de Lages das Aroeiras, Uauá, Bahia.
Luis Gustavo da Silva, morador da comunidade de Lages das Aroeiras, Uauá, Bahia. Imagem: Xavier Bartaburu

O número exato é 57,9% de vegetação nativa, de acordo com o MapBiomas, o que faz da Caatinga o terceiro bioma mais preservado do Brasil.

Continua após a publicidade

"A metade degradada tem dois caminhos: a desertificação ou a recuperação. Se a gente parar com o desmatamento e passar a conservar o que já foi degradado, há, sim, uma possibilidade de recuperação. A tendência é que apareçam plantas mais adaptadas à mudança climática."

Waldemar, protegido pela sombra da imburana centenária que se eleva diante da Casa de Ração de Lages das Aroeiras, se mostra um pouco menos confiante: "A gente sabe que, por muito que a gente faça, não consegue mais recuperar a Caatinga, voltar a ser como era". Nem por isso ele se rende.

Vestindo uma camiseta cuja estampa exibe dois pés de mandacaru coroados pela frase "Defensores da Caatinga", Waldemar conclui:

Algo a gente tem que fazer. A gente veio aqui para isso, não veio por acaso. Cada um com uma missão. A gente tem que fazer algo nesta vida, para a gente e para os outros.

*Notícias da Floresta é uma coluna que traz reportagens sobre sustentabilidade e meio ambiente produzidas pela agência de notícias Mongabay, publicadas semanalmente em Ecoa. Esta reportagem foi originalmente publicada no site da Mongabay Brasil.

Reportagem

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes