PUBLICIDADE
Topo

Bianca Santana

Em livro, Preta Ferreira tira o sono e convoca à luta

Capa do livro "Minha Carne", de Preta Ferreira - Divulgação
Capa do livro "Minha Carne", de Preta Ferreira Imagem: Divulgação
Bianca Santana

Bianca Santana é jornalista. Autora de "Quando me descobri negra" e organizadora de coletâneas sobre gênero e raça, foi convidada da Feira do Livro de Frankfurt em 2018 e da Feira do Livro de Buenos Aires em 2019, quando também foi curadora do Festival Literário de Iguape. Pela UNEafro Brasil, tem contribuído com a articulação da Coalizão Negra por Direitos. No doutorado em ciência da informação, na Universidade de São Paulo, pesquisou a escrita e a memória de mulheres negras. Foi professora da Faculdade Cásper Líbero e da pós-graduação em jornalismo multimídia na Faap. Atualmente, está escrevendo uma biografia sobre Sueli Carneiro.

26/01/2021 12h15

A ansiedade para ler "Minha carne: diário de uma prisão" (Boitempo, 2021), de Preta Ferreira, começou há pouco mais de um ano, quando soube que o livro seria publicado. Nos mais de 100 dias de cárcere, a escrita, assim como a leitura, foi companheira, arma e cura de Preta, acusada de de associação criminosa e extorsão por ser liderança do Movimento Sem Teto do Centro (MSTC). "Eu sei que não sou nada disso que me acusam, mas, no momento, até provar que sou inocente, estou na condição de re-educanda e sou mais um número entre as presas injustamente do país, mais uma presa política", escreveu Preta no 52° dia de cárcere.

Nas 223 páginas do livro, Preta Ferreira narra o dia a dia da Penitenciária Feminina de Sant'Anna e das outras celas por onde passou, conta histórias de mulheres que conheceu no sistema prisional, compartilha memórias de sua infância, tece reflexões políticas. Um livro de escrita fluída que não consegui ler rapidamente. Indignação, raiva, tristeza se materializavam como enjoo e dor de cabeça que exigiam pausas longas na leitura. O peito apertado por saber que tantas pretas seguem privadas não apenas de liberdade, mas de dignidade, humanidade.

"Hoje me peguei observando a quantidade de mulheres negras na cela especial. Por incrível que pareça, somos em três; antes da minha chegada, era só uma, a Ana. Após uma semana da minha chegada, veio Ednalva. Já no pavilhão, a massa das negras é como se fosse um navio negreiro, eles jogam todas juntas, amontadas, e ainda tentam fazer com que nos olhem feio ou achem ruim e estranho sermos separadas, fazendo parecer que somos melhores que elas", publicou Preta Ferreira no livro.

Sentença mencionando filhos que a mulher julgada não tem, constatando que o juiz nem se dignou a analisar o caso, mas reproduziu o texto-padrão formulado para negras pobres automaticamente condenadas. Mães chorando nos aniversários dos filhos de quem nem têm notícias. Filha lamentando a morte da mãe. Cartas violadas, julgadas, censuradas. Doações que não chegam às presas, confiscadas por funcionários que se beneficiam delas. Funcionárias essas que, em sua maioria, passam doze horas por dia na cadeia, com uma folga na semana. Assim como as encarceradas, também são revistadas, não podem entrar com celular, comem a comida propositalmente ruim servida às presas. Na escrita em primeira pessoa de Preta Ferreira conhecemos ainda mais camadas perversas do Brasil.

Importante perceber como, atrás das grades, Preta Ferreira experimentou a liberdade. Ao formular esteticamente aquele experiência, e sua própria existência, pela escrita de si e no trabalho de memória, Preta escapa da sujeição a ela imposta. Reconstrói sua subjetividade a partir de sua própria narrativa, em seus próprios termos, em conexão com sua ancestralidade. E ao cuidar de si desse modo, participa da construção de sujeitos coletivos também libertos dos processos de sujeição e subalternização. Quando uma amiga a visitou com uma blusa que estampava "PRETA LIVRE", depois de chorar de felicidade, Preta corrigiu o que viu de errado na frase: disse a ela que faltavam dois "S, que nossa luta sempre será em plural; portanto, de agora em diante, 'PRETAS LIVRES', 'LIBERDADES PRETAS'".

A insurgência da escrita de Preta Ferreira abre a possibilidade a ela, e a todas e todos nós, de escaparmos do biopoder e da necropolítica citada por ela no livro. Em sua escrevivência, Preta Ferreira incomoda, tira o sono, mostra o absurdo do cárcere, e convoca à luta por moradia, educação e justiça. Sem deixar de olhar o céu, admirar o brilho das estrelas, e celebrar a sensação do vento da noite soprando em sua carne.