PUBLICIDADE
Topo

Anielle Franco

Nossas escrevivências importam

Getty Images
Imagem: Getty Images
Anielle Franco

Anielle é cria da favela da Maré, no Rio de Janeiro. É bacharel em Jornalismo e Inglês pela Universidade Central de Carolina do Norte e bacharel-licenciada em Inglês/Literaturas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. É mestra em Jornalismo e Inglês pela Universidade de Florida A&M, e atualmente é mestranda em uma universidade federal no Rio de Janeiro (Cefet) cursando relações étnico-raciais com o foco na identidade das mulheres negras através da memória e legado de Marielle Franco, sua irmã e inspiração diária. Publicou seu primeiro livro, "Cartas para Marielle", e tem participação importante em diversas publicações, incluindo a autobiografia de Angela Davis. Trabalha como professora, palestrante, escritora e é a atual diretora do Instituto Marielle Franco, curadora do Projeto Papo Franco e também do curso Marielles.

20/07/2020 04h00

Nesta semana, período em que celebramos o Dia da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha, meu intuito é inspirar todas as mulheres negras desse mundo a escreverem, contarem suas histórias, suas derrotas, suas superações, mas principalmente suas vitórias. Muitas mulheres negras na história, como Audre Lorde, já nos diziam que: "nosso silêncio não nos protege".

Partindo de nossas oralidades e escritas inspiradas por nossas experiências e trajetórias, e também por meio de nossas encruzilhadas ancestrais, quero utilizar este espaço para manifestar a importância de nós, mulheres negras, exercitarmos nossa escrevivência.

Conceição Evaristo conceitua "escrevivência" como a escrita que nasce de nosso cotidiano, de nossas lembranças, da experiência de viver e sentir a vida real enquanto mulheres negras, historicamente jogadas à margem deste projeto de sociedade falho e racialmente dividido. É certo que, o simples fato de compartilharmos nossas perspectivas subjetivas nos ajuda a inspirar outras mulheres. Tornar da nossa escrita um hábito pode levar algum tempo, mas pode ser libertador e de fato inspirador. Passamos por tantos momentos em nossas vidas, que às vezes só as mulheres negras conseguem se reconhecer na dor e nas alegrias das outras.

Vilma Piedade quando nos conta sobre "dororidade", se inspirando no "pretuguês" de Lélia González, expõe a noção de que a violência racista, patriarcal, social, seja ela física, emocional ou moral parecer ser o elo que une as mulheres negras a luta feminista. E se para Vilma, a dororidade quer falar das sombras, da fala silenciada, dentro e fora de nós, da dor que o racismo causa ao nosso corpo em que às vezes parece que somente nós sabemos reconhecer, podemos afirmar que quando a guardamos dentro de nós, sofremos sozinhas, não nos dando a chance de navegar em um mundo de descobertas e trocas e, principalmente, de conexões afetivas ancestrais.

Seja por dororidade, ou pelo afeto matriarcal, nós mulheres negras somos mais fortes quando costuramos juntas o tecido social que molda nossa vida e trajetória. A escrevivência é nossa ferramenta para contar ao mundo a experiência maravilhosa e desafiadora do que é ser mulher negra nesse mundo. Carregamos nas costas e em nossos ventres as perspectivas de um futuro pautado na vida e não na morte, e a todas vocês que se calaram até agora, eu lhes digo: não guarde aquilo que você acredita por medo de errar ou de acharem que não serão ouvidas. Apenas falem ou escrevam e descubram suas forças!

Nossa memória, nossa vivência e nossa escrita são as mais importantes ferramentas de nossa construção enquanto mulheres negras!

"(...)
Da favela, da humilhação imposta pela cor
Eu me levanto
De um passado enraizado na dor
Eu me levanto
Sou um oceano negro, profundo na fé,
Crescendo e expandindo-se como a maré.

Deixando para trás noites de terror e atrocidade
Eu me levanto
Em direção a um novo dia de intensa claridade
Eu me levanto
Trazendo comigo o dom de meus antepassados,
Eu carrego o sonho e a esperança do homem escravizado.
E assim, eu me levanto
Eu me levanto
Eu me levanto"

Maya Angelou (1978)

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.