Topo

Mobilidade


China considera testar zonas de proibição para veículos a combustão

Poluição em Xangai - JOHANNES EISELE/AFP
Poluição em Xangai Imagem: JOHANNES EISELE/AFP

Yilei Sun e Brenda Goh

Em Xangai (China)

22/08/2019 16h09

A China atualmente está considerando testar a proibição de veículos movidos a gasolina em algumas partes do país, e pode estabelecer um cronograma para eventualmente retirar de circulação esses veículos, segundo o Ministério da Indústria.

O governo chinês encorajou as vendas de veículos elétricos como parte de uma repressão à poluição, mas as autoridades da indústria automobilística duvidam que isso acabe completamente com os tradicionais motores de combustão interna, dadas as diferenças regionais no clima e no meio ambiente.

De acordo com um documento no site do Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação (MIIT) chinês, as autoridades vão primeiro analisar fatores como a demanda do mercado e os níveis de emissão para decidir se irão realmente testar zonas proibidas para veículos a gasolina.

O documento foi emitido em resposta a uma proposta do parlamento da China em 16 de julho e divulgada pela mídia estatal chinesa na última quarta-feira.

A China é o maior mercado de veículos de novas energias (NEV - New Energy Vehicle) do mundo, com 1,3 milhão de unidades vendidas no ano passado. Essas vendas, que incluem veículos híbridos elétricos e veículos a carga, devem chegar a 1,5 milhão de unidades no ano que vem.

O ministério pode formular um cronograma para eliminar gradualmente os veículos movidos a gasolina, de acordo com o documento, mas não disse se seria específico para certas partes do país ou se os veículos passariam por uma fase de eliminação nacional.

A província de Hainan, no sul da China, disse em março que planeja parar de vender veículos a gasolina até 2030.

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.

Mais Mobilidade