PUBLICIDADE
Topo

Novo Peugeot 208 1.0 alia motor Fiat a pacote generoso para 'bombar' vendas

Colaboração para o UOL, de Indaiatuba (SP)

27/05/2022 10h00

Resumo da notícia

  • Motor 1.0 Firefly é o mesmo utilizado no Fiat Argo
  • 208 será vendido em duas versões: Like e a inédita Style
  • Marca aposta em um generoso pacote de equipamentos desde a versão básica

Foi em 2006 que a Peugeot abandonou o segmento de populares com motor 1.0 no Brasil. O fim da motorização de 1-litro coincidiu com a única reestilização realizada no 206, que se consolidaria como o modelo mais vendido da marca francesa no Brasil - e também no mundo.

Bastante coisa mudou de lá para cá: o 206 "virou" 207 e depois cedeu espaço ao 208, que foi aposentado em 2020 com a estreia do sucessor de mesmo nome. Esta geração acaba de recolocar a Peugeot na briga dos modelos 1.0, mas não sem contar com um "empurrãozinho" da Fiat.

Coração conhecido

O 208 1.0 Firefly usa o motor que já esteve em Uno e Mobi, e hoje está presente no Argo. São 75 cv com etanol e 71 cv com gasolina, entregando torque máximo de 10,7 kgfm se o combustível for o etanol e 10 kgfm caso a escolha seja pela gasolina. O câmbio manual de cinco marchas também veio do "primo" distante da Fiat.

Mas não pense que a Stellantis apenas transplantou o conjunto motor-transmissão de um carro para outro. A engenharia da Peugeot realizou algumas modificações, incluindo a recalibração da central eletrônica e a adoção de componentes exclusivos, como alternador, compressor e sonda lambda.

"Este projeto trouxe o desafio de partir de duas bases bem conhecidas, o motor 1.0 Firefly e a plataforma CMP, e oferecer um produto único que mantivesse o DNA da Peugeot", disse Vinícius Jesus, da engenharia da Stellantis.

O motor 1.0 Firefly será oferecido em duas versões do 208. A configuração de entrada Like sai por R$ 72.990 e a inédita versão Style (lê-se 'Estile') custa R$ 79.990. Estes valores são especiais de lançamento, então devem subir dentro de alguns meses.

Veja abaixo a lista de itens de série de cada versão:

208 Like 1.0 Firefly: R$ 71.990

4 airbags, controles de estabilidade e de tração, iluminação diurna por LEDs, central multimídia com tela de 10,3 polegadas e suporte a Android Auto e Apple CarPlay sem fios, duas entradas USB, alarme, ar-condicionado, direção elétrica, espelhos retrovisores com regulagens elétricas e vidros elétricos nas quatro portas.

208 Style 1.0 Firefly: R$ 79.990

Mesmos itens da versão Like mais faróis full LED, rodas de liga leve de 16 polegadas, grade com acabamento em preto brilhante, aerofólio traseiro, carregador de celular por indução, bancos e tapetes com revestimentos exclusivos, teto solar panorâmico, câmera de ré e sensores de estacionamento traseiros.

Bom de curva e de consumo

Nosso primeiro contato com o 208 1.0 foi em um autódromo particular no interior de São Paulo. Embora não seja o ambiente mais adequado para experimentar um modelo novo, UOL Carros conseguiu tirar algumas impressões interessantes sobre o hatch.

Mesmo com um conjunto mais fraco do que o 1.6 16V flex (que segue em linha nas versões mais caras), a boa dirigibilidade do 208 não mudou. Contribui para isso a ótima posição de dirigir e a suspensão com calibragem mais firme do que no Argo, fazendo com que a carroceria incline pouco nas curvas. Eu, particularmente, gosto muito do conceito i-Cockpit, que inclui um volante com diâmetro menor e o quadro de instrumentos em posição mais elevada. Mas sei que muita gente - sobretudo os motoristas mais altos - não se sentem muito confortáveis.

Embora não sejam tão suaves como em alguns concorrentes, os engates do câmbio manual não são ruins. Nada da alavanca com curso longo do antigo 208, por exemplo.

Se o desempenho pode não ser encantador, pelo menos o consumo de combustível deve agradar. Médias do Inmetro indicam 10,4 km/l na cidade e 11,3 km/l na estrada com etanol. No caso da gasolina, os números são de 14,7 km/l na cidade e 16,3 km/l na estrada, colocando o 208 entre os hatches com motor 1.0 mais econômicos do Brasil.

Abrindo mais lojas

Apesar de compartilharem a motorização, a Peugeot afirma, categoricamente, que o 208 é voltado para um tipo de cliente bastante diferente do consumidor que compra um Fiat.

"Isso é muito nítido para nós", garantiu Felipe Daemon, diretor da marca Peugeot na América do Sul.

O executivo projeta um crescimento bastante expressivo nas vendas do 208 com a chegada da nova motorização. A intenção da marca é de que os emplacamentos do modelo subam até 60%, de olho, inclusive, nas vendas diretas. Para atingir a meta, a Peugeot está investindo na ampliação de sua rede de concessionários.

"Hoje temos 140 pontos de venda e até o final do ano a expectativa é de chegar a 180 pontos. A maior parte deles será em praças onde ainda não estamos presentes, então existe um movimento estratégico nessa expansão", concluiu Daemon.